Japudo Barbear Clássico – Lançamento

Breve histórico

Como contei neste meu blog, iniciei na saboaria artesanal porque em 2009 comecei a fazer a barba seguindo o conceito do barbear clássico, o wet shaving – na época usava navalha,  e queria usar um creme de barba que fosse natural e vegetal, livre de derivados petroquímicos, deixando de usar os produtos industrializados.

Em 2010 fiz meu primeiro produto do barbear clásssico, o creme de barbear vegetal Clássico, que atendia o que desejava. Voces podem ver a foto do produto no Flickr: https://www.flickr.com/photos/saboariareservadasflores/4464541345/in/photostream/.

O processo de fazer esse creme de barbear foi postado em 2010 no forum de discussão de sabão em creme nos USA, é um tutorial completo que ainda hoje se encontra nos arquivos do grupo: https://groups.yahoo.com/neo/groups/CreamSoap/info

Em 2013 a pedido de membros do grupo Saboaria, de Portugal, foi desenvolvido um processo para fazer sabão de barbear por cold process, um modo simples e rápido, ao contrário do processo convencional por hot process.

Este sabão de barbear com sucessivos aperfeiçoamentos, foi submetido a um processo de seleção e reviews por uma empresa em Portugal e foi escolhido por essa empresa para fazer parte da sua linha de produtos para o barbear.

Lançamento novos produtos

Agora em 2014 temos a satisfação de anunciar uma nova linha de produtos do barbear clássico. Tem o selo de Japudo Barbear Clássico e será produzido e comercializado pela Darluck natural cosmetics e pela Japudo saboaria e cosmética (ex – reserva das flores).

linha completa

 

linha dar completa

A linha Japudo Barbear Clássico é natural e vegetal, feita artesanalmente, isenta de matérias primas de origem animal e sem derivados petroquímicos, constituida dos seguintes produtos:

Sabão de Barbear – hard shaving soap (puck)
Sabão de Barbear – soft shaving soap (croap)
Creme de Barbear – shaving cream
Sabão de Barbear Stick
Loção After Shave – splash
Balm After Shave – cream

São três tipos de aroma, todos com óleos essenciais:
Drake – predominância do aroma do óleo essencial de lavanda francesa
Tromp – predominância do aroma do óleo essencial de cedro folha
Trouin – predominância do aroma do óleo essencial de menta piperita

O nome dos aromas são nomes de corsários que fizeram a história, com proezas contadas em versos e prosas e no cinema:
Sir Francis Drake – inglês, 1540 – 1596
Martin Tromp – holandês, 1598 – 1653
René Duguay-Trouin – francês, 1673 – 1736

Estes produtos estão a venda nas lojas online
http://www.japudo.com.br/loja-online/comprar/
http://www.darluck.com.br/index.php?route=product/category&path=73_99

puck all

 

puck all tp

 

puck dar all

puck dar all tp

puck drake fora top

 

puck dar trouin fora top

 

croap jap + dar 520px

 

croap jap + dar tp 520px

creme jap + dar 520px

 

stick jap + dar 520px

 

 

locao jap + dar 520px

 

balm all jap 520px

 

balm all dar 520px
www.japudo.com.br
www.darluck.com.br

https://www.facebook.com/robertoakira.sugai
https://www.facebook.com/pages/Darluck-natural-cosmetics/593875224022751?fref=ts

Darluck Saboaria e Cosmética – Parceria

logotipo_azul_hd_1

É com muito orgulho e satisfação que anuncio uma parceria técnica e comercial com a Darluck Saboaria Artesanal  de Cris Dragesso Luckachaki, de Tangará da Serra, MT.

A Cris é uma profissional esteticista consagrada e tem estado, há mais de 15 anos, atuando com a Estética Pro Mulher na cidade de Tangará da Serra. Tem um ano que resolveu se dedicar também a fazer a saboaria e cosmética artesanal e enfrentando inúmeras dificuldades devido a distância de mais de 2 mil km que a separa dos grandes centros, conseguiu estabelecer, com muita competência e dedicação, uma atividade que oferece produtos e serviços de altíssima qualidade o que reflete em clientes muito felizes!

saboa allCom uma criativa e abrangente linha de sabões artesanais, oferece uma completa solução de produtos naturais. Novos produtos irão surgir com regularidade para atender as necessidades dos cliente. Regastou de forma carinhosa as reminiscências do passado com a Linha Alma & Olga feitas por processo a quente que preserva os ativos dos óleos e plantas. Alma & Olga faz parte do portfolio de produtos que compreende as linhas de sabões, cosméticos, produtos para casa, todos naturais sem uso de produtos sintéticos e nocivos para a saúde.

produto 11

Recém lançados o inicio de uma linha completa de cosméticos 100% naturais, vegetais.

atelier all

Um espaço segregado, dedicado para a elaboração dos produtos, que em muito breve se planeja ampliar.

Tenho grandes expectativas com o sucesso dessa parceria, acredito na competência e na constância de propósito e qualidade dos trabalhos que sempre nortearam as atividades da Cris Dragesso Luckachaki!
Boa sorte e muito trabalho para todos nós

Sabão de barbear – sândalo

P1030759No barbear clássico muitos preferem o sabão de barbear ao creme de barbear.
O sabão de barbear exige um pouco mais de trabalho para carregar o pincel e desenvolver a espuma. Este tempo gasto faz parte do ritual do barbear clássico e remete à época dourada das grandes barbearias. Ainda hoje são os produtos principais das centenárias e elegantes casas londrinas dos 3Ts – Truefitt and Hill,  G.F Trumper e Taylor Of Old Bond Street.
P1030778

Este recipiente de ceramica feita no Japão, serve para manter a barra de sabão de barbear em uso.

P1030779P1030774Esta é outra opção, uma ceramica feita na China de aspecto mais rústico.

P1030776P1030791Se tiver interesse de compra visite a loja online.

Reaproveitando o sabão – rebatch

P1030713Acumulei ao longo do tempo um monte de sabonetes que ficaram encostados aguardando um destino, e agora resolvi fazer um reaproveitamento – rebatch e doar os sabonetes para algumas instituições.

Tinha uma caixa cheia deles, a maioria embalados em celofane feitos em 2009 que acabei não comercializando, na época que eu vendia sabões, porque mudei a fórmula para um sabão mais duro e estes acabaram ficando.

P1030674P1030677O incrível é que esses sabões com quase 5 anos, estavam todos perfeitos, ainda com um acentuado aroma dos óleos essencias. Juntei a estes as contra-amostras dos lotes produzidos, alguns de testes que fiz, no total de 13 kg de sabão.

Primeiro passo é fragmentar as barras de sabonetes para facilitar o derretimento. Tentei com um moedor de carnes elétrico, mas não funcionou pois a maioria deste sabonetes tem uma composição de óleos predominante de insaturados (oliva) e portanto pegajosos, embora bem secos, que não flui pelo moedor.

P1030686

A alternativa foi ralar manualmente, um trabalho beirando a insanidade que demorou quase um dia inteiro para ralar, barra por barras, os 13kg de sabão.

P1030694Usei uma panela de cozimento lento (crock pot) para derreter e e fundir os sabões em uma massa única. Fiz em lotes de 2,5kg com adição de 10% de água.

P1030700

Como o sabão ralado ocupa muito volume cada lote de 2,5kg foi carregado em três etapas, demorando aprox. 3 horas cada processamento. O ultimo carregamento das raspas foi deixado fundir parcialmente para dar este efeito de aparas coloridas.

P1030698P1030702

Finalmente depois de quase um dia ralando os sabões e mais 15 horas de trabalho de rebatch, aqui estão as 100 barrinhas de 90g de sabonetes reprocessados.

P1030717P1030707P1030703P1030709P1030715

Sabão de óleo usado – carbonato de calcio

P1030287Rev TituloObservei que algumas inicitiavas de reaproveitamento de óleo usado com a produção de sabão, tanto de empreendedorismo individual quanto de ONG, usam o carbonato de calcio ou dolomita – minério de carbonato de calcio e magnésio.

Fiquei curioso porque a adição destas cargas onera os custos do produto e só justificaria se tivesse uma função muito específica. Pedi informações e como ninguém respondeu, resolvi fazer alguns testes.

sabao oleo usado caco3A fórmula usado foi essa. O corante base água de cor azul foi usado para a melhor visualização do teste.
P1030290tituloP1030291tituloPara medir a diferença na dureza do sabão foi improvisado este dispositivo que imita um aparelho de medida de impacto. Consiste de um tubo direcionador, de 1 metro de altura por onde é  lançado uma haste de aço com 15g de peso. Por gravidade esta haste percorre o tubo direcionador e penetra na massa de sabão. A dureza é medida pela profundidade de penetração (mm).

impactoO sabão ficou secando 25 dias antes do teste de dureza e ambos, o com e o sem carbonato, tiveram o mesmo valor de dureza de 6 mm.

P1030303O teste de formação de espuma foi feito com um pincel de barba friccionado de modo padronizado no sabão para desenvolver a espuma. Não foi notado nenhuma diferênça. O comportamento do sabão molhado também foi identico, formando a “baba” característica deste tipo de sabão.

Para testar a oxidação (rancidez) do sabão, estes foram deixados ao lado de uma janela de vidro exposto ao sol direto da manhã por 10 dias.

P1030453textDiferênça significativa, o sabão com carbonato de calcio tem muito melhor resistência a oxidação.

Conclusão:
Pelo que foi testado só podemos dizer que o carbonato de calcio melhora a resistência à oxidação deste tipo de sabão que é muito propenso a rancificar.
Acredito que não seja esse o principal motivo de usar dolomita ou carbonato de calcio no sabão de óleo usado, mas infelizmente não consegui ter mais elementos que pudessem justificar o seu uso. Lamento também que as pessoas que usam este tipo de carga não divulgem os méritos de se fazer isso, de tal modo que justifiquem o penalti nos custos, todos sairiam ganhando.

Hot Process com Agitação Contínua – HPAC

P1030374

Na pequena localidade de Fontevraud L’Abbaye, no vale do Loire na França, existe desde 1974 a renomada saboaria artesanal, Savonnerie Martin de Candre. Desde a sua fundação a 40 anos, a saboaria Martin de Candre (MdC) se dedica a produzir produtos da saboaria artesanal de excelente qualidade usando, como eles afirmam, o clássico processo do sabão de Marselha.

O sabão (creme) de barbear da Matin de Candre é considerado o melhor do mundo, eles tem uma linha de sabão de marselha (para limpeza) com oliva, coco e palma,  uma linha que chamam de huile de palme que é feita com oliva, coco e palma e uma terceira huile d’olive, só com oliva e coco.

Todos estes produtos tem um preço premium que varia de 9 a 16 euros para as barras de sabão e o de barbear chega a custar 23 euros um potinho de 50 gramas.

Eles alegam que fazem o processo do sabão de Marselha que é um processo full boiling onde o sabão é lavado com solução salina e a glicerina é retirada. Na realidade a MdC faz um hot process artesanal bem convencional, que usa um agitador mecanico para mexer a massa durante a saponificação e o tamanho do lote é inferior a 25kg. Isso pode ser visto nas poucas fotos no site deles e também de um video reportagem produzido por uma tv francesa.

Mas o que me chamou a atenção foi o procedimento deles de secar durante 8 meses os sabões e por 5 meses o de barba! Intrigante pois no hot process o sabão já sai saponificado e portanto seguro e que uma secagem de 15 dias é suficiente para ter a dureza necessária para um uso duradouro. Um sabão feito por cold process fica pronto para o uso em cerca de 20 dias. Aí vem a pergunta, por que fazer um processo mais complexo, demorado e caro que é o hot process, se posso fazer o cold process, muito mais simples, rápido e mais barato? Afinal se deixar por 8 meses um sabão feito por hot ou cold, teoricamente eles teriam a mesma performance. É claro que o hot process tem a vantagem de poder incorporar componentes sensíveis ao meio alcalino apos a saponificação, o que preserva estes componentes, coisa que no cold process nao seria possível.

Resolvi elaborar um teste para comparar as propriedades de um sabão feito por cold process e o mesmo feito por hot process e também comparar a influência que tem o tempo de secagem na performance do sabão, nos dois processos.

Hot Process com Agitação Contínua – HPAC

Um hot processs artesanal normalmente é feito usando-se como fonte de aquecimento um banho-maria ou uma panela elétrica de aquecimento lento (crock pot), e a massa é homogenizada manualmente de tempos em tempos para possibilitar uma saponificação abrangente.

Para manter o processo mais parecido com o hot process da Martin de Candre, acabei por montar um sistema que chamei de Hot Process de Agitação Contínua – HPAC. Obviamente nao é uma inovação, mas em escala artesanal nao vi ninguém usar um sistema parecido.
Deste modo, de um teste comparativo entre sabões produzidos por dois processos distintos, acabou derivando para a elaboração de um terceiro modo de se fazer um hot process que é o HPAC.

P1030403revEste é o setup do equipamento para fazer o HPAC – um aquecedor elétrico (este é um agitador magnético de laboratório), um agitador mecânico (usado um com controle digital da rotação) e um termômetro digital.

Aqui está um vídeo que fiz que mostra o HPAC para fazer o sabão de benzoim (12 minutos):

http://www.youtube.com/watch?v=wQc9vjrkDdk

Teste dos Sabões

A Martin de Candre na sua linha palma tem um sabão de mel e um de benzoim (Styrax tonkinense), e foram feitos um simlilar a esses para o teste.
A composição de óleos do sabão foi: oliva/palmiste/palma – 60/25/15, SF de 5% e concentração de soda de 30%. O teste comparativo será feito com o de mel e o de benzoim foi feito para confirmar e otimizar o processo HPAC. Não é possível fazer um cold process normal com o de benzoim devido a necessidade de diluir o óleo resina de benzoim com etanol, o que daria o defeito de seizing na massa.

P1030321Na esquerda o sabão de mel feito com HPAC, o outro por cold process convencional.
A cor do col process é escura devido a carbonização de parte do açucar do mel pela soda.

P1030334Os dois blocos de sabão de mel desenformados, de 3,5kg.

P1030342Corte de acabamento da superfície do sabao de mel por hot process com agitação contínua utilizando o Cortador Flex.

P1030344Duas barras de 305 x 80 mm.

P1030351Acabamento do topo da barra.

P1030353As duas barras acabadas nas dimensões de 305 x 80 x 60 mm.

P1030362Corte das barras individuais utilizando o Cortador Flex.

P1030364Corte com precisão do Cortador Flex.

P1030366P1030369P1030374Todas as barras individuais de 80x60x30 mm, 135 gramas.

P1030378

Corte do bloco de sabão de mel feito com cold process.

P1030384P1030390Todas as barras do sabão de mel CP, 90x60x25 mm, 130 gramas.

P1030394Os dois sabões que serão utilizados na comparação entre CP e HP.

Sabão de Benzoim feito por Hot Process com Agitação Contínua – HPAC

P1030417Este sabão foi feito para confirmar e melhorar o processo HPAC.

P1030425P1030431P1030435———————————————————————————————-

Savonnerie Martin de Candre: http://savonnerie-martin-de-candre.com/fr/

Sabão de óleo usado – perigo das fórmulas que estão por aí!

É um problema recorrente estas fórmulas de sabão de óleo usado que se encontram na internet. A atitude de reaproveitar o óleo usado de frituras para fazer sabão é louvável, a natureza agradece,  e muitas vezes é uma renda suplementar de muitas famílias e de ONG.

A maioria das fórmulas que estão disponibilizadas tem um excesso muito grande de soda, tornando o produto perigoso. Vamos pegar como exemplo este video que foi colocado num post do grupo Saboaria:

Esta fórmula do vídeo tem um excesso brutal de 46,8% de soda, tornando este sabão inseguro para o uso, vai atacar a pele das mãos e se for usado para lavar roupas, vai acabar com o tecido, diminuindo sua vida útil.

É incrível como as pessoas e instituições desconhecem um simples cálculo de saponificação, o cálculo para determinar a quantidade de soda necessária para fazer o sabão. Tenho atendido muitas solicitações de pessoas e notadamente de ONG que tem sua fábrica de sabão que os clientes reclamam da agressividade do sabão e inclusive os próprios operadores destas pequenas fábricas também reclamam do manuseio do sabão durante o processo. que queimam a pele e destroem as roupas.

A Anvisa (orgão regulamentador no Brasil) estabelece para um sabão o máximo de pH de 10 e o controle da alcalinidade é feita pela determinação do teor de óxido de sódio que deve se no máximo de 1%.
Um professor que estava montando um projeto para uma ONG no estado do Espírito Santo me procurou dizendo que nao conseguia atender as especificações da Anvisa, seu pH era de 12,4 e o teor de óxido de sódio estava em 2,4%, muito superior ao máximo permitido de 1%. Analisando a fórmula, estava com um excesso de 28% de soda!
Imagina essa fórmula do vídeo, deve estar com pH de 13 e teor de óxido de sódio de pelo menos 4%.

O cálculo para saber a quantidade de soda (pureza mínima de 97%) é simples e elementar. Não importa qual óleo usado que você vai usar, o normal é vc coletar óleo de fritura de uso doméstico e esse invariavelmente vai ser, soja, canola, oliva ou girassol. Pois bem, o índice de saponificação (determina a quantidade de soda necessária para reagir com o óleo) destes óleos são muito semelhantes: 0,136, 0,133, 0,135 e 0,135g de soda para cada grama de óleo, respectivamente.
Podemos utilizar o valor de 0,136g para todos estes óleos e as suas misturas, independente da composição da mistura.

O cálculo é assim: quantidade de óleo em gramas x 0,136 = quantidade de soda necessária.

No caso da fórmula do video ficaria: 5000g x 0,136 = 680g de soda. Para essa quantidade de óleo de 5Kg está sendo usado 1kg de soda e daí o excesso perigoso de 46,8%. Para esses 1 kg de soda seriam necessários: 1000g/0,136g = 7353g de óleo.

A quantidade de água para diluir a soda, para fazer a solução de soda, pode variar de 30 a 50%, sendo que nas concentrações mais elevadas, por ter menos água, o sabão endurece e seca mais rápido e a reação de saponificação é tb mais rápida.
Na fórmula do video a concentração está a 50% (1kg de água para 1kg de soda).

Voces podem observar que a senhora diz, ingenuamente, que o sabão dela à medida que vai secando vai se tornando mais branco! O excesso de soda é tão grande que à medida que envelhece, vai se formando a “soda ash”, a cinza branca da soda que nada mais é do que a reação da soda superficial com o gás carbonico da atmosfera, formando o carbonato de sódio, branco.

O álcool é solvente do sabão e portanto neste caso vai acelerar a formação do traço, mas isso é agregar custos desnecessário, pois uma agitação vigorosa e prolongada tem o mesmo efeito.

Se preferirem pode ser usado uma calculadora de sabão para fazer os cálculos, como nesse caso com o Soapcalc:
sabao caseiro fundo social tatui

Sabão batido – whipped soap

 

P1030182P1030183Em 2007 um saboeiro de nome Nizzy (Terry Nisbet) da Austrália, popularizou um modo diferente de fazer sabão, que consiste em bater os óleos sólidos em uma batedeira de cozinha, dessas de fazer bolos ou bater o creme chantilly. A idéia é incorporar ar na massa de óleos saturados (sólidos),  acrescentar os óleos insaturados (líquidos), adicionar a soda e depois as fragâncias e os aditivos. O processo é um cold process normal feito na temperatura ambiente e com a diferênça na fase de incorporar o ar com a batedeira.

O fundamental da formulação é ter uma proporção de pelo menos 80% de óleos sólidos (saturados) que podem ser: palma, babaçú, palmiste, manteiga de cacau, manteiga de karité, cupuaçu, ucuúba, etc, e 20% de qualquer óleo insaturado (líquido) para dar as propriedades condicionadoras ao sabão.

Todo o processo é feito na temperatura ambiente ou mais frio, costumo fazer a uns 10 a 15ºC  pois eu derreto os óleos sólidos para misturar bem e depois coloco na geladeira para solidificar. O importante é manter os óleos sólidos, caso contrário não é possível bater para virar um creme aerado. Essa aeração faz com que esse tipo de sabão quando colocado na água, não afunda, ele flutua. Também tem maior volume por peso devido a oclusão de ar. Como o cold é feito à baixa temperatura, a saponificação é lenta e dificilmente ocorre a fase gel. O ar ocluido também retarda a saponificação e permite com isso um tempo maior para fazer o sabão. Costumo dizer que o sabão batido é ótimo porque não precisa de correria, não tem afobação, nao tem o ponto de trace, é o sabão sem stress!

OP Sabao Batido Whipped Padrao Blog 520pxAqui a fórmula com as instruções do processo.

P1030109No sentido horário, os pigmentos usados como colorantes, dispersos em 10g de glicerina vegetal, a mistura de óleos essenciais, a solução a 28% de soda que foi resfriado a 10ºC, a mistura de oliva e mamona e o saco plástico com os óleos sólidos que foram derretidos e depois mantido por 2 horas na geladeira para solidificar parcialmente.

P1030111A mistura de óleos sólidos parcialmente solidificados.

P1030112Inicio de incorporar o ar usando uma batedeira muito simples (made in China) mas barata, versátil e robusta, permite usar uma ou duas hastes e também pode ser destacado do suporte e seguro pela mão, o efeito planetário é obtido girando o bowl com as mãos.

P1030118Depois de aproximadamente 10 minutos batendo em velocidade alta o aspecto é esse, parecido com um creme areado.

P1030124É o momento de adicionar a mistura de óleos insaturados, lentamente para evitar ao mínimo a diminuição da aeração.

P1030127A soda é adicionada bem lentamente e com cuidados para evitar respingos para fora do recipiente. Se nota o aumento de volume devido ao ar ocluido.

P1030128Depois da adição da soda a massa é batida por mais 10 minutos em media, isso garante uma boa mistura da soda com os óleos e nem se percebe o traço por causa da aeração.

P1030130Adiciona-se os óleo essenciais lentamente para nao derrubar a aeração

P1030132No caso eu dividi a massa em três partes para colorir com os pigmento branco, vermelho e azul.

P1030134Foi usado a técnica do swirl de colher. Como a reação é muito lenta, não há a preocupação de fazer rápido porque, diferente do cold normal onde o tempo é fator fundamental, no sabão batido a viscosidade da massa se manter por um bom tempo sem se modificar.

P1030141Swirl finalizado e pronto para ficar 24 horas para ser desmoldado.

P1030149O bloco tirado do molde depois de 24 horas. A evolução de calor da saponificação somente ocorreu depois de 12 horas do inicio do cold process, uma saponificação bastante lenta.

P1030154 RevP1030158O bloco posicionado no novo cortador múltiplo (este é ainda um protótipo, em breve estarei vendendo este cortador e um outro tipo).

P1030165Cortados 12 barras de sabao.

P1030169

P1030171 RevP1030181P1030184P1030185P1030187P1030194

 

 

Sabão do coco 100% para corpo & banho – pronto

P1020987 RevDepois de 3 semanas secando ficou pronto o sabonete de coco 100% para uso no corpo. A dúvida que tínhamos era se este sabão com superfatting de 20% para deixa-lo apropriado para uso no corpo, neutralizando um possível efeito de ressecamento da pele, fosse realmente um bom sabão para corpo e banho.
Já usei três dias seguido este sabao no banho e posso dizer que é sensacional, dos melhores sabões que já fiz/usei! Não resseca a pele, deixa uma sensação de pele tratada com um creme ou óleo, um aveludado muito agradável. Isso porque os 20% de excesso de óleo de coco é realmente um superfatting verdadeiro.
Todas as demais propriedades são excelentes, tem ótima dureza, e a espuma é fantástica! O óleo essencial de Massoia é muito bom, tem um poder de aromatizar fabuloso, aquele cheiro de coco fresco!
Cada pele é uma pele e não se deve generalizar, para mim foi muito bem, gostei muito, pode ser que nao vá tão bem em outras pessoas, mas de qualquer modo recomendo fazer este sabão.

IMG_0857IMG_0862P1020993 RevP1030002 Rev

Sabão de coco natural – pronto! / Natural coconut soap – ready!

P1020965 RevP1020974Depois de três semanas está pronto o sabão de coco para uso na limpeza geral da casa, na cozinha e principalmente para lavar roupas.
After three weeks the coconut soap is ready for use in general cleaning of the house, especially the kitchen and for washing clothes.

etiquetas sabao cocoEsta é a etiqueta dos sabões, são 4 sabões identificados pela cor do + (mais) e foram impressos em papel reciclado.
This is the label of soaps, are 4 soaps identified by the color of the + (plus) and were printed on recycled paper (sorry, in portuguese only).

P1020978P1020979P1020980P1020983 Rev

 

Sabão de chocolate com gotas de menta e cacau

IMG_0775IMG_0701

Sabão formulado com óleo de palma/óleo de babaçú/óleo de oliva/óleo de mamona/manteiga de cacau – 30/30/30/5/5, com SF (superfating) de 5%, concentração de soda de 30%, 13% (s/o) de chocolate em barras com 70% de cacau e 0,7% (s/o) de cacau 100% em pó.
O sabao foi decorado com a técnica dos canudos com pigmento verde de cromio e dióxido de titânio para os spots verde e aroma de 3% (s/o) de óleo essencial de menta piperita. Nos spots cor de cacau o óxido de ferro vermelho foi tingido com óxido de ferro preto e dióxido de titânio e para dar aroma, óleo essencial de laranja doce 2% (s/o).

IMG_0491Foi feito este dispositivo que dispensa o uso da massa de modelagem para prender os canudos. Tem as medidas do molde e é encaixado no fundo do molde. As cavidades de 8.5 mm de diâmetro são para canudos de 8 mm e tem um profundidade de 12 mm.

IMG_0650

Este molde foi especialmente feito para possibilitar fazer de 6 até 24 barras de 9 x 6 cm (130g) usando a técnica dos canudos.

IMG_0653Como nesta decoração nao foi utilizada todas as cavidades, as que nao são usadas foram fechadas com fita adesiva (em azul).

IMG_0657O chocolate é misturado aos óleos e com a manteiga de cacau e derretidos no microondas.

IMG_0660

Para usar a técnica dos canudos é fundamental deixar um traço bem leve, onde é adicionado o cacau em pó.

IMG_0663Com o traço leve é possível nivelar bem a massa de sabão no molde com os canudos. O molde fica na sua capacidade máxima pois a massa é para 24 barras.

IMG_0664Houve a formação de full gel com temperatura superficial de 42º C e depois de 6 horas os canudos foram retirados quando a temperatura abaixou para 32º C.

IMG_0668Apesar da alta temperatura gerada pela fase gel, não houve problemas de irregularidades na superfície tais como craqueamento ou rachaduras. Este formato do molde favorece o full gel quando utilizado na sua máxima capacidade. Foi feito a decoração de acordo com o descrito acima, com a massa em traço muito leve.

IMG_0669Como revestimento do molde foi usado um plástico chamado opalina que é utilizado para fazer cúpulas de abajures. Excelente plástico para esta finalidade.

IMG_0680Utilizando o cortador vertical, foi cortado 3 mm do topo da barra para eliminar as imperfeições devido ao enchimento das cavidades.

IMG_0689Com o cortador vertical a barra foi cortada em 4 barras menores com a espessura de 23 mm.

IMG_0691Todas as barras menores cortadas, nenhuma imperfeição.

IMG_0714As barras individuais foram cortadas com o cortador individual, ao todo 24 barras tamanho padrão de 6 x 9 cm.

IMG_0721IMG_0741IMG_0745IMG_0747IMG_0753IMG_0757IMG_0758IMG_0759 RevIMG_0763IMG_0771IMG_0773

IMG_0776IMG_0777IMG_0778

 

Sabão de coco 100% – corpo & banho

IMG_0620IMG_0612

Normalmente um sabão com 100% de óleo de coco (coco da praia,  babaçú ou palmiste)  é usado para limpeza geral, lava roupas ou louças, isso porque o laurato de sódio em excesso é agressivo e as vezes irritante para a pele. Costuma se limitar a a faixa de segurança da quantidade de óleo de coco à 35% quando o sabao é usado no corpo.
A saboaria americana descobriu que um sabão 100% coco com um sobreengorduramento (superfatting) de 20% ou mais deixa de ser agressivo e fornece um sabão de excelente qualidade para a pele, perde a sua agressividade e sendo somente com coco, produz uma espuma extremamente abundante e agradável.

Este sabão foi feito com 100% de óleo de babaçú orgânico, com superfatting de 20%, concentração de soda de 30% e como líquidos foi usado 50% de leite de coco e 50% de água de coco, congelados,  para a diluição da soda. Como fragancia foi usado o óleo essencial de Massoia (Cryptocarya massoia) que tem aroma intenso de coco, e um fundo de canela. Esse óleo é de origem da Indonésia.

IMG_0579O leite de coco foi misturado com a água de coco e esta mistura foi congelada por que queria ter o mínimo de carbonização e manter a cor do sabão o mais claro possível. A soda foi adicionada sobre esta mistura congelada e agitada até completa dissolução. A temperatura depois da dissolução foi de 15º C.

IMG_0580O óleo de babaçú foi derretido no microondas e a temperatura ficou em 54º C.

IMG_0584Na mistura da solução de soda e o óleo de babaçu, a temperatura ficou em 34º C, uma temperatura boa para se ter uma trace leve e evitar um gel muito intenso. Foi usado um batedor aramado, nao foi preciso usar o mixer. Foi adicionado no traço bem leve,  0,3% (s/o) do óleo essencial de massoia.

IMG_0587O molde é de silicone e os canudos são para se obter o efeito decorativo das bolinhas.

IMG_0594Os canudos foram retirados e as cavidades foram preenchidas com massa de sabão de coco azul (azul ultramarino), depois de 6 horas, após o desenvolvimento do full gel, cuja temperatura máxima chegou a 38º C medida na superfície, no meio do bloco.

IMG_0598IMG_0599O bloco foi cortado ao meio na horizontal para gerar 4 barras de  9 x 7,5 cm de 200g cada.

IMG_0609IMG_0619Aqui está as barras de sabão de coco 100% para corpo e banho com um aroma fabuloso de coco e canela e tem razão a minha amiga Ane Walsh, que me forneceu o massoia, um cheiro de delicioso de cocada!!

 

 

Bonita decoração … bonito defeito!

IMG_0569IMG_0566Quando fiz o sabão dominó, a primeira tentativa foi um fracasso só.  O súbito aumento da viscosidade depois do traço, no momento de verter no molde,  acabou por derrubar os canudos porque a massa não tinha fluidez, acumulou no centro, ganhou altura e depois espalhou arrastando os canudos.
Para nao perder a massa de sabão retirei os canudos e coloquei as duas partes (ia usar dois moldes) num molde só. Observei que houve a formação de um gel intenso e depois que desenformei 24 horas após, já dava para notar este desenho na parte superior do bloco e quando cortei vi que o bloco todo estava com este desenho diferente e bonito, que lembra o mámore travertino.

Observem que não é uma decoração, algo que foi planejado para dar este efeito, é um defeito, bonito, mas um defeito. Vamos então à explicação do que aconteceu, dentro de um entendimento razoável do fenômeno.
O traço foi acelerado por que usei uma mistura de óleos essenciais – limão siciliano, eucalipto estageriana e citronela, 3% (s/o)  em partes iguais e um deles, o limão siciliano,  potencializou essa aceleração do traço. Quando adicionei na massa e senti que havia uma interação, imediatamente parei de homogenizar, dividi a massa em duas partes e verti o volume menor no molde pequeno, mas já era tarde a viscosidade era inapropriada para fazer o petit poás, que acabou derrubando os canudos.

Como juntei tudo num molde só para não perder o sabão, a massa (4,3 kg) ocupou quase inteiramente o molde. Esta situação de molde (18 x 30 x 8 cm), e o volume ocupado pela massa é uma relação propícia para o desenvolvimento da fase gel com grande intensidade. O molde com MDF de 20 mm e com tampa, é um ótimo isolante térmico, pouco calor é perdido.

Na maioria das vezes eu obtenho gel parcial neste molde, mas desta vez o gel foi completo devido ao maior volume de massa. Você nota o gel parcial pela diferença de cor, mais escura no centro e mais clara nas bordas. As vezes é difícil observar o gel completo, não existem essas diferenças que podem ser notadas. Mas qualquer que seja o gel nada se assemelha ao desenho obtido neste sabão, mas o gel é fundamental para ter este efeito, este defeito.

Vamos entender o que é o gel. Quando as condições de emulsificação (traço) está completa, a reação de saponificação começa a ser continua, e gera calor pois a reação química de saponificação é exotérmica. Este calor é dissipado nas bordas e na superfíce da massa do sabão, mas é no meio onde as condições são perfeitas para acumular calor – dissipa menos calor, e neste ponto o aumento da temperatura é substancial. As moléculas líquido cristalinas adquirem mobilidade e há a formação de um gradiente de temperatura do meio para os extremos que você pode ver através da mudança de cor e em alguns casos, o local fica translúcido e também da viscosidade, que diminui. Muitas vezes este gradiente formado vai perdendo o calor e a reação também diminui, não fornecendo mais calor suficiente para manter o gradiente e assim o gel cessa, formando um gel parcial. Quando a reação é longa (maior massa de sabão), e a perda de calor é inibida, o gel se propaga e tem-se o gel total.

Quando senti que a mistura de óleos essenciais estava acelerando o traço, parei de homogenizar e esse tempo de mistura não foi suficiente para mistura bem, incorporar, os óleos na emulsão. Quando da formação de gel, a propagação do gradiente de temperatura, encontra pela frente não um meio homogêneo e sim locais com concentraçoes diferentes de massa de sabão e mistura de óleo esenciais. Esta descontinuidade do meio fez com que o gel deixasse rastro na forma dos desenhos que deu o efeito parecido a uma decoração planejada. Arrisco dizer que neste gradiente do gel houve até um transporte de massa, um deslocamento físico de massa, de massa de óleos essenciais, que enfatizou os desenhos. A cor também ficou alterada, uma cor bege e tem a mesma quantidade de dióxido de titânio  do sabão dominó, que ficou bem branco.

Já testei este sabão prematuramente e nada notei de anormal que me faz supor que a performance não mudou ou ficou comprometida.
Este sabão tem uma formulaçao básica de óleo de palma/babaçú/oliva/mamona – 35/30/30/5, SF de 5%, concentração da soda de 30% e dióxido de titânio (1% s/o)

Pois aí está, um bonito efeito provocado por um bonito defeito! Um efeito que quem sabe nunca poderá ser reproduzido exatamente, foi um momento único dos mistérios da química da saboaria.

IMG_0571 IMG_0576IMG_0564IMG_0565IMG_0568

Tem uma matéria sobre gel, que pode ser visto aqui: http://www.japudo.com.br/saboaria/quimica/.

 

 

Sabão dominó

IMG_0536IMG_0556Uma variação do mesmo tema dos sabões petit poás, aqui está o sabão dominó.
São sabões com a formulaçao básica de óleo de palma/babaçú/oliva/mamona – 35/30/30/5, SF de 5%, concentração da soda de 30% e dióxido de titânio (1% s/o) e carvão de bambú (1,5% s/o) para dar, respectivamente, a cor branca e a cor preta.
Para o aroma foi usado óleo essencial de petitgrain/patchouli – 2/1, 3,5% s/o.
É o conjunto completo do jogo de dominó com 28 sabões de aprox. 100g (8 x 5 cm).

IMG_0451Primeiro são desenhados todas as 28 pedras do jogo do dominó, dimensionados para dois moldes, um de 300 x 270 mm e outro de 300 x 180 mm, sobra um excesso em ambos os moldes. Isso gera um gabarito para o posicionamento sobre a manta de massa de modelagem posicionada no fundo do molde e a marcação.

IMG_0454Os canudos de 8 mm são posicionados na massa de modelagem de acordo com a marcação feita com o gabarito.
IMG_0455Ao total foram 195 canudinhos de milk shake, 132 no molde maior e 63 no menor.

IMG_0462O sabão é preparado com o traço leve e vertido nos moldes. Tive um problema ocasionado pela aceleração do traço devido ao óleo essencial de limão siciliano e o súbito aumento da viscosidade no momento de colocar no molde, derrubaram os canudos do molde menor. Tive que refazer o sabão dos dois molde e preparar novamente o molde menor.

IMG_0466IMG_0467Após 12 horas os canudos foram retirados.
IMG_0472IMG_0473O sabão preto de carvão de bambú é preparado e as 195 cavidades são preenchidas com este sabão.
IMG_0479IMG_0480Depois de 12 horas o sabão é retirado dos moldes e cortados seguindo o desenho do gabarito.

IMG_0520revIMG_0523revIMG_0526IMG_0530revIMG_0531IMG_0541IMG_0543IMG_0551IMG_0551 IMG_0558

IMG_0554

O sabão no mundo dos petit pois

IMG_0308IMG_0368

IMG_0432Na moda e no fashion, as estampas de bolinhas chamadas de petit pois ou petit poás ou simplesmente, poás, que apareceram pela primeira vez em 1894 na Inglaterra, nunca sai de moda, e vira e mexe aparece com força total.

Particularmente gosto destas estampas e o estranho é que até então, não tinha visto o petit pois decorando um sabão. Já tinha visto algumas tentativas mas não a estampa original do poás.

Resolvi tentar fazer e conversando com a saboeira Mónica Carvalho, da Saponem Opera (https://www.facebook.com/SaponemOpera?hc_location=stream), ela me deu uma dica preciosíssima de como usar um material para fazer as bolinhas, sem a qual não seria possível avançar.

Este material são os canudinhos de refrescos, chamados em Portugal de palhinhas, feitos de poliestirenos ou de polipropilenos.  Os diâmetros mais comuns são os de 6 mm (refrescos e sucos), 8 mm (milk shake) e 9mm (turbo milk shake).

IMG_0253Primeiro você cria como será a estampa das bolinhas, criando um gabarito usando um software de desenho qualquer, levando em consideração o tamanho do molde e o tamanho das barras. Este é um molde de 9 x 15 cm que dariam 4 barras de 9 x 7,5 cm e espessura de 2,5 cm – as barras são cortadas horizontamente.

Em seguida você coloca uma camada de mais ou menos 2 cm de massa de modelagem em todo o fundo do molde. Pode usar algo roliço para estender a massa e deixar uma superfície plana. Eu usei aqui a massa de modelagem da marca Acrilex de uso profissional, mas pode servir as massas de modelagens para crianças, essas massas são bem mais fáceis de trabalhar, são mais moles.

IMG_0254Com a massa no fundo do molde, você posiciona o gabarito e com o auxílio de uma agulha você fura o papel e marca o centro de cada bolinha.

IMG_0258Posicione os canudos, neste caso foi usado o de 6 mm de diâmetro, bem no centro das marcas feitas, e pressione para ficar presa pela massa. Deixe os canudos bem na vertical, bem perpendicular.

IMG_0261Agora é só preparar a massa de sabão na cor de fundo desejada para a estampa de poás e deixe no trace bem leve para poder nivelar bem no molde. Isso é muito importante, se o trace for grosso, fica impossível o nivelamento e o trabalho fica comprometido, pois não é possível usar espátula para nivelar. Importante trabalhar a massa em baixa temperatura e com concentração de soda baixa, algo como 28 a 30%.

IMG_0264Este molde por ser de silicone não foi preciso revesti-lo. A quantidade de massa precisa ser calculada considerando a altura da barra acrescido de 1 cm para o acabamento nas duas faces, a de cima e a de baixo.

IMG_0267Depois de mais ou menos 3 horas ou no caso de ter formado o gel, depois de ter dissipado o calor, retire com cuidado os canudinhos da massa.

IMG_0270Importante é não retirar os canudos durante a fase gel ou com a massa ainda com calor formado, pois isso pode colapsar a cavidade ao retirar os canudos e inclusive fechar as cavidades.

IMG_0276Prepare as massas que vão compor as cores das bolinhas dos poás. Aqui foi usado o preto e o verde. Para verter nas cavidades é mandatório que a massa esteja no trace bem leve, caso contrario fica impossível preencher completamente as cavidades. Bata o molde para acomodar bem a massa.

IMG_0280Depois de 18 a 24 horas desenforme o sabão. Esta é a parte debaixo do bloco de sabão já com a base de massa de modelagem retirada

IMG_0285A base de massa de modelagem pode ser reutilizado se retirado com cuidado.

IMG_0289Depois é só cortar no tamanho das barras individuais. Aqui, em primeiro plano o que sobrou do acabamento e as quatro barras.

IMG_0292IMG_0294IMG_0295IMG_0317Este é um molde maior para 20 barras de 9 x 6 cm, já forrado com a massa de modelagem.

IMG_0322O gabarito posicionado para a marcação dos centros dos canudos. Neste caso um canudo de 9mm de diâmetro.

IMG_0323As marcações feita com uma agulha.

IMG_0325Aqui os 90 canudinhos de 9 mm de diâmetro presos na massa de modelagem.

IMG_0329É importante ir alinhando na medida em que for colocando os canudos.

IMG_0331A massa é vertida no molde.

IMG_0336Os canudo retirados e protos para receberem as cores que formarão as bolinhas dos poás.

IMG_0342Os canudo podem ser reutilzados bastando lavar e secar.

IMG_0344Foi usado várias cores e também base glicerinada vegetal tingidas com glitters cosméticos.

IMG_0350A retirada da massa de modelagem, um pouco mais difícil devido a camada baixa e ao tamanho maior.

IMG_0353Corte do bloco para a formação dos loafs, tudo seguindo o desenho inicial da disposição das barras. Foi usado um cortador vertical – a fio de corte fica posicionado na vertical, perpendicular à base do cortador.

IMG_0355IMG_0359O corte de acabamento nas faces dos loafs.

IMG_0363IMG_0367A quantidade de massa precisa ser calculada com certa precisão para evitar o desperdício de material no corte de acabamento.

IMG_0372Os três loafs de sabão petit pois.

IMG_0379As barras individuais.

IMG_0380revIMG_0384revIMG_0386IMG_0385IMG_0387revIMG_0392IMG_0393IMG_0394revIMG_0395IMG_0396IMG_0398IMG_0399revBase glicerinada vegetal transparente

IMG_0435IMG_0402revIMG_0410IMG_0416Este é com canudos de 8mm de diâmetro, um total de 120 canudos

IMG_0418Um sabão de carvão de bambú, sabão muito usado no Japão como detox da pele.
Neste sabão tive problemas ao antecipar a retirada dos canudos ainda com a fase gel em andamento fazendo que houvesse um colapso da cavidade e perdi metade da massa de sabão.

IMG_0423revIMG_0432É isso, as possibilidades são quase infinitas de combinar cores e materiais para se obter os petit poás, explorar outras inovações no preenchimento das cavidades.

IMG_0439

Sabão de coco natural

 

Este é um simples sabão de coco para uso na limpeza geral da casa, na cozinha e principalmente para lavar roupas. Depois de bem seco pode ser processado e transformado em sabão em pó para maquina de lavar roupas.

As pessoas que compram o sabão de coco industrializados se queixam que o sabão atualmente tem uma qualidade inferior, o poder de limpeza tem diminuido e o sabão se desfaz, fica muito mole em contato com a água.
Em parte isso é devido a ganância dos empresários que tem adicionado sal como carga para dar peso e a aumentar a lucratividade e isso compromete a performance do sabão. Este é o sabão de coco 100% natural, foi feito para usar uma quantidade de óleo de babaçú bruto e orgânico muito antigo que tinha aqui. A formulação é 80% de babaçu e 20% de óleo usado de cozinha, com um superfatting de 5% e como colorantes, dióxido de titânio para o branco, e óxido de ferro vermelho, oxido de cromio verde, oxido de ferro preto e violeta ultramarino, para o swirl. Foi usada a soda com concentração de 32%.

Quando se faz um sabão de coco usando somente o óleo de coco o sabão tem uma excessiva dureza que até dificulta o seu uso e também o cold process, gera muito calor (exotermia) com risco de trincar o sabão dentro do molde. Os 20% de óleo recuperado (canola/soja – 60/40) foi usado para minimizar estes problemas sem comprometer a qualidade do produto, inclusive deixando-o menos agressivo para a pele.

Esta saponificação com o ácido laurico presente no babaçú é muito reativa e o sabão tem que ficar no molde destampado para aliviar o calor gerado e está pronto para serem cortados após 4 horas, se deixar mais tempo fica impossível cortar nos cortadores de fios. Como há um forte despreendimento de calor e o molde fica aberto, há uma pequena carbonatação na superfície do bloco de sabão, pode ser visto no verde e no preto.