Cold Process

Tutorial de sabonete cold process

 

Segurança em primeiro lugar

    • Prepare o seu local trabalho e mantenha-o organizado
    • Eduque sua família e especial cuidados com crianças pequenas
    • Tenha certeza que você entende o processo
    • Use luvas de borracha e óculos de segurança
    • Nunca deixe os óleos quentes desassistidos
    • Nunca deixe a soda e a solução de soda desassistida
    • Trabalhe com método
    • Não se distraia no trabalho
    •   Limpe imediatamente os respingos

 Fórmula

Esta é uma fórmula básica para um sabonete por cold process. O balanço de óleos propicia um sabonete com ótimas característica de hidratação, dureza, espuma densa e farta e uma durabilidade (lasting) excelente.

Equipamentos necessários

Os equipamentos de segurança, óculos e luvas, são fundamentais e devem sempre serem usados na manipulação das matérias primas e no processo.

Como é usado um microondas para derreter e aquecer os óleos, os recipientes são de plástico do tipo PP (polipropileno). Para preparar a solução de soda cáustica use um recipiente de aço inox e para aquecer esta solução, use um aquecedor elétrico ou o fogão. Não é aconselhavel o uso recipiente de plástico ou vidro e o microondas para aquecer a solução de soda,. Existe sempre um risco potencial de acidente! Importante também, nunca use recipiente de alumínio para manipular a soda cáustica – a soda reage com o alumínio!

As balanças de cozinha podem ser perfeitamente usadas para pesar os componentes. A maioria delas são de precisão de 1 grama, suficientes para as pesagens normais. Atenção ao comprar ou usar uma balança ao requisito resposta de medição. Tem muitas balanças de péssima qualidade que não tem uma adequada rapidez (resposta) de medição, evitem estas.

Técnicamente qualquer mixer de cozinha pode funcionar para acelerar o início da reação de saponificação. É recomendado uma potencia mínima de 100W e o ideal seria ter acima de 150W, o que possibilitaria trabalhar com uma quantidade maior de massa. Lembrando que quanto maior é a potencia, maior é o peso do aparelho, que cansa mais e mais rápido se obtem o trace, o que nem sempre se deseja. No lugar do mixer pode se usar o tradicional batedor aramado (fouet), requer mais tempo e mais esforço.

Preparação do molde 

Molde para produzir 24 barras padrão de dimensões 90 x 60 x 25 mm e peso de 130 g. Feito com MDF de 18 mm com revestimento dupla face branco. As laterais são removíveis através de três parafusos com canopla, de cada lado.

Molde montado com as laterais fechadas

Esta placa de policarbonato serve para ajustar o molde para as dimensões exatas das barrinhas de sabonetes, evitando o disperdício ao cortar depois.

Revestimento do molde

São três pedaços de papel manteiga que vão revestir o fundo, o topo e as laterais. Tem no mercado um tipo de papel manteiga chamado glassine que é siliconado mas não serve como revestimento pois a massa acaba atacando o papel e depois dificulta a sua remoção. O papel manteiga pode ser encontrado em papelarias que vendem material para engenheiros, é usado para fazer croquís.

Para fixar o revestimento de papel manteiga no molde é usado vaselina sólida, aplicada com uma espátula

Colocar o revestimento do fundo e iniciar a aplicação nas laterais

Conformar bem os cantos com o uso da espátula

Terminar o perímetro e sobrepor no final

Molde revestido e pronto

Preparação dos óleos vegetais 

Pesar o óleo de palma em recipiente de 2 litros

Pesar o óleo de côco de babaçú

Misturar o palma com o babaçú

Pesar o óleo de mamona

Pesar o óleo de oliva em recipiente de 2 litros

Todos os óleos pesados e prontos

Misturar o óleo de mamona na mistura de óleos de palma e babaçú

Derreter o palma e o babaçú no microondas, +- 2 min em alta

Aquecer o óleo de oliva no microondas +- 1 min em alta

Misturar todos os óleos num recipiente de 4 litros

Preparação da solução de soda 

Pesar o hidróxido de sódio (soda cáustica)

Pesar a água em recipiente de inox, plástico ou vidro

Adicionar a soda na água lentamente com agitação. Nunca adicionar água sobre a soda! Pode provocar uma reação violenta com potencial para um acidente.

Inicialmente a solução fica turva mas depois de alguns minutos se torna  límpida. Deixar esfriar

Preparando o colorante e os óleos essenciais 

Pesar os pigmentos de óxido de ferro vermelho e o dióxido de titânio

Colocar aproximadamente 50 ml da mistura de óleos quente num gral ou outro recipiente adequado.

Dispersar os pigmentos com o uso do pistilo ou algo equivalente. Os pigmentos inorgânicos como esses, estão na forma de aglomerados que se adicionados diretamente na massa de sabão, podem não misturar uniformimente formando pontos de cores e não uma cor bem homogênea

Pesar os óleos essenciais de Lavandim, Gerânio África, Palmarosa e Pau-rosa, todos juntos formando uma mistura

Processo – inicio

Adicionar a dispersão da mistura de pigmentos na mistura de óleos.

Usar o mixer para incorporar bem a dispersão de pigmentos na mistura de óleos

Deixar em repouso para eliminar a espuma e as bolhas que eventualmente podem ter se formado

Nota-se uma boa dispersão dos pigmentos, a cor se torna bem uniforme

Processo – cold process 

Ajustar a temperatura da solução de soda para a temperatura do processo que é de 40+-1 graus centígrados

Ajustar a temperatura da mistura de óleos para a temperatura do processo que é de 41+-1 graus centígrados

Adicionar a solução de soda na mistura de óleos com agitação manual com o mixer desligado.

Quando finalizar a adição ligar o mixer e agitar fazendo movimento ao redor de toda a massa de sabão

Agitar com o mixer em ciclos de 3 x 10 seg ligado /  3 x 20 seg manual

Começa a haver um aumento na viscosidade da massa, sinal que está iniciando o que é chamado de trace, um trace leve. Neste ponto de trace leve adicione a mistura de óleos essenciais.

Aqui é possível ver que foi atingido o trace médio para pesado. O que cai do mixer não se incorpora rápido, formando uma traço, deixando um rastro.

Este é o ponto ideal para a massa ser colocada no molde. Tem que trabalhar rápido pois a viscosidade aumenta com muita rapidez dificultando verter o sabão para dentro do molde. Para evitar esta situação de manuseio ruim, é melhor parar a agitação no trave leve

Verter imediatamente para o molde revestido, trabalhando rápido

Espalhar a massa em todo o molde

Bater o molde na superfície da mesa para nivelar

Pronto!

Depois de uns 5 minutos colocar o revestimento de papel manteiga no topo da massa

Colocar a tampa e esperar de 18 a 24 horas para que a reação de saponificação se complete transformando o óleo e a soda no sabão

Iniciar a desmoldagem  removendo a tampa

Remover as laterais

Deslizar o bloco de sabonete para fora do molde

Começar a retirar o revestimento

 Retirar o revestimento iniciando pelas laterais

Bloco de sabonete pronto para o corte

Corte do sabonete – corte do bloco 

Cortando o bloco de sabonete em duas barras grandes com o uso do cortador vertical

Cada barra é cortada com a largura de 9 cm. O cortador vertical foi construido para cortar nessa dimensão

O comprimento do bloco é de 30,5 cm

Duas barras grandes (loaf) medindo 30,5 x 9 x 6 cm cada uma

Corte do sabonete – corte em barrinhas 

Cortador múltiplo que corta as barras grandes (loaf)

Cortador múltiplo facilita o corte das barrinhas, aumenta a produtividade

Corta simultâneamente 12 barrinhas + 1 amostra de retenção

As barrinhas tem um tamanho de 9 x 6 x 2,5 cm e cada uma pesa 130 g

Corte do sabonete – cortador individual 

As barrinhas podem ser cortadas com o cortador individual, um cortador mais  simples mas bem versátil

Corta uma barrinha de cada vez, a espessura do corte é ajustada com um regualdor

Ajustador de corte com a escala de regulagem

Simplicidade e facilidade de uso compensa a trabalho maior para cortar as barrinhas

Secagem do sabonete

As barrinhas de sabonetes são colocadas para secar neste rack de madeira

Ficam secando por 3 a 4 semanas para perder a água, em torno de 8% e para estabilizar a sua estrutura.

Apos este período de secagem o sabonete está pronto para uso, com sua dureza já desenvolvida

Total de 24 barras de 130 g

Controle de qualidade 

Após 48 horas de secagem retira-se  uma alíquota da barra de amostra para verificar o pH. Esta barra de amostra fica guardada como contra-amostra

Esta aliquota retirada da amostra de retenção é dissolvida em água

Pode-se usar um pHmetro portátil para medir o pH. A natureza química do sabão confere uma característica alcalina ao produtos, quer seja artesanal ou industrial

Alternativamente pode ser usado um papel indicador de pH

 Alguns exemplos de sabonetes cold process

243 ideias sobre “Cold Process

  1. muito boas informações, estou começando agora no cold process, e tenho inúmeras duvidas, será que poderia me ajudar? Hoje estou fazendo meu segundo lote de sabão, na verdade testando o Dioxido de Titanio.

    Estou usanda uma mistura de Óleo de Mamona, Óleo de Coco, Óleo de Canola e Azeite de Oliva 30:30:30:10

    • Olá Amauri.
      A relação de óleos está na ordem que você colocou? Se sim, 30 de óleo de mamona é muito, e está faltando o palma. Este sabonete não vai ter dureza adequada e vai amolecer muito em contato com a água.Tente uma das fórmulas que postei,querendo, pode trocar o oliva pelo canola. Qualquer dúvida me contate.

      • Moro em Salvador, não encontrei palma em nenhum lugar aqui. pode me ajudar?

        se puder deixe as respostas tembem em meu e-mail assim vejo mais rapido. amof.amauri@gmail.com

        Usei: 300g de mamora + 300g de coco + 300g de canola + 100g de Oliva.

        fiz um teste ontem ( antes de achar seu blog ) e aconteceu exatamente o que descreveu sobre o uso de essência no Cold Process. relatei no meu blog.

        Não agradeci ainda a atenção, muito obrigado, esta sendo difícil achar informações claras e confiáveis neste processo, ate o momento tem sido por tentativa / acertos e erros!

        Óleos Essências onde compro mais em conta? aqui é um absurdo de caro e geralmente vendem muito fracionado (5ml)

        Que receita me indicaria ???

        • Como tinha dito, esta relação de óleos que vc está usando tem um excesso e muito de óleo de mamona. A melhor relação que cheguei foi a que uso em todos os meus sabonetes cold: côco/palma/mamona/oliva ou canola ou girassol: 30/35/5/30. A função de cada óleo: côco – poder de limpeza e espuma, palma – dureza, limpeza e espuma, mamona – espuma persistente, cremosa e densa, oliva, canola ou girassol – condicionadora da pele, obviamente o melhor disparado é o oliva.

          O óleo de palma é difícil de achar, o que vc pode tentar é achar em alguma padaria que faça massa folhada ou em casas que vendem artigos para sorveterias.

          Em cada grupo de páginas do meu site, tem uma relação de fornecedores cuja confiabilidade já foi testado por mim. Veja onde vc pode encontrar o óleo de palma e os óleos essenciais.

        • O que rege as propriedades dos óleos é sua composição de ácidos graxos. O óleo de palma tem alto conteúdo de ácido palmítico que confere ao sabão uma ótima dureza. O óleo de murumuru é similar aos óleos de côcos (côco nucífera, babaçú, palmiste) com alto teor de ácido laurico e não tem impacto na dureza do sabão.

          • entendido, esta se tornando um mestre! encontrei um fabricante de Óleo de Palma aqui na Bahia, estarei entrando em contato ainda hoje! viu o desastre na no blog? pena que não tinha lido sobre essência aqui no seu blog

  2. Caro Akira, me desculpe se estiver abusando mas ainda tenho muitas dúvidas, hoje fiz mais um teste (na verdade ontem) hoje fui dar uma olhada e notei a presença de óleo ao redor das formas, porque isso acontece? o sabonete esta quase pronto para ser desenformado, será que meu traço não esta bom? se puder me ajudar agradeço.

    Deixa eu falar, hoje fui a uma cidade ha 180km de Salvador para visitar uma comunidade que faz óleo de palma bruto, o processo é todo artesanal e filtrado em manta de algodão, porem o óleo resultando do processo é bem vermelho, não é refinado, mas também não é como o azeite de Dendê. ganhei alguns litros, se quiser posso mandar um para você testar, estou organizando meu tempo para visitar duas fabricas aqui na Bahia, ambas beneficiam o dendê, quero ver se consigo comprar o óleo refinado de palma e o palmiste.

    lhe informo as novidades e antecipadamente agradeço pela atenção

    (se quiser mando foto, devo postar no blog entre amanhã e sexta)

  3. me esqueci de postar a receita que usei, como não consegui ainda o óleo de palma apesar de sermos um grande fabricante de Azeite de dendê (irônico isso), não pude usar sua receita. Se não conseguir o óleo de palma aqui vou comprar ai em SP.

    mas quero testar o óleo que mencionei acima que ganhei, é um óleo bem bonito, vermelho, prensado manualmente ainda em prensa de madeira por pequenos produtores.

    Alguma recomendação ao se usar este óleo?

    Mais uma vez só tenho a agradecer.

    Usei: Canola 25% / Mamona 10% / Coco 30% / Oliva 30% / Manteiga de Carité 5 %

    Na calculadora da como resultado uma receita equilibrada, mas

    • Amauri,
      Esta fórmula tem muito soft oil, 65% e pouco hard oil, 30%, e também o mamona está no limite max. Está faltando realmente mais hard oil que seria o palma para dar uma barra dura e durável. Se está separando óleo, pode ser que o trace estivesse muito leve quando vc colocou no molde. Inclusive nesta relação de óleos o trace demora para ser atingido, requer mais ação com o mixer.

      Quanto a esse óleo de dendê, lembre-se que a frutinha do palma/dendezeiro consiste da polpa e da semente. Da polpa se extrai o óleo de palma que depois de refinado perde a cor característica do azeite de dendê e da semente se extrai o palmiste (PKO, palm kernel oil). São óleos completamente diferentes, no palma é predominante o ácido graxo palmítico e no palmiste é o ácido graxo laurico. Se neste local eles extraem sem separar a polpa da semente, vc vai ter uma mistura de palma e palmiste cuja proporção fica difícil de estimar com acurácia.

      Roberto Akira

  4. Problema resolvido, consegui com uma fabrica aqui da Bahia tanto o óleo de palma refinado quanto o palmiste e tem ainda uma outra gordura que é fruto do processo chamada ESTEARINA conhece? tive de comprar 50 litros agora ate posso revender óleo e palmiste (hehehe) serão entregues na terça feira 50 litros de cada.

    Roberto, agora é que tenho de fazer isso rodar!!! vou fazer o próximo teste já com o óleo de palma que recebo um litro amanhã enviado por um portador, a partir dai é partir para fazer os sabonetes.

    Estou vendo agora os Óleos Essenciais ai em SP nos fornecedores que me indicou.

    Estou ainda preparando o post para o blog, estará publicado entre hoje e sexta. Lá vera o óleo e o problema na hora de desenformar o lote 3.

    Abraços.

    • Amauri, grandes progressos!
      Primeiro deixe me falar um pouco do processamento do óleo de palma. Como você esteve visitando um produtor aí na Bahia, você pode analisar o que vc realmente comprou nestes 50 litros. Quanto ao óleo de palmiste acho que não há nenhuma dúvida que vc comprou o palmiste pois o processo de extração é bem característico e é uma etapa após a extração do palma.

      O óleo de palma é extraido do mesocarpo da frutinha (polpa) após um cozimento sob pressão seguido de uma prensagem mecânica. O babaço ou borra é separado das amêndoas, seco e depois utilizado com combustível das caldeiras. As amêndoas separadas são moidas num moinho triturador e separados da casca para posterior beneficiamento, dando origem ao óleo de palmiste.

      O óleo de palma extraido da polpa é submetido ao refino e ao fracionamento. O refino consiste nas etapas de pré-tratamento ácido, branqueamento e destilação/desodorização, originando um óleo límpido de materiais estranhos e sem a cor avermelhada característica.

      O fracionamento, que é realizado com resfriamento e aquecimento, separa uma fase líquida que é chamada de oleina e uma fase sólida chamada estearina. A diferênça significativa na composição da oleina e da estearina está na quantidade de ácido palmítico – oleina 40% e estearina 55%.

      Com isso, dá para vc analisar e verificar o que é que vc comprou – óleo de palma bruto (acho que não), óleo de palma refinado (acho que sim), óleo de palma fracionado, estearina ou oleina (não sei). De qualquer modo quer seja bruto, refinado ou fracionado todos servem para fazer sabão e conferir a propriedade de dureza. O problema do bruto é a cor e que pode com o tempo dar um defeito chamado DOS (dreaded orange spot) que são spots esbranquiçados no sabão devido à oxidação, que pode ser evitado com um anti-oxidante que poderia ser o óleo resina de alecrim.

      Roberto Akira

      • Realmente acho que temos avanços sim, comprei o Óleo refinado mas optei sem o processo de branqueamento (tipo exportação) que é feito com areia branqueadora, então o óleo que já tenho em mãos tem cor amarelo ouro, porem sem nenhum traço vermelho do dendê, também comprei o Palmiste, este sim de cor clara e a depender da temperatura ambiente mais ou menos líquido e ainda estão me mandando uma amostra de 1kg de estearina, que pelas minhas pesquisas é bastante usadas em velas ou sabonetes para dar uma maior solidez ao sabão.

        Mas enfim, mais um passo importante foi dado, agora estou escolhendo os óleos essenciais e parto para um teste mais consistente com as matérias primas adequadas, com isso espero ter um resultado melhor e mais consistente.

        Estou postando isso lá no blog, estarei visitando a fábrica na próxima semana para conhecer melhor todo o processo fabril e se for permitido registro para postar.

        Mais uma vez obrigado pela ajuda, estou programando uma viagem para SP no começo do ano para visitar alguns fornecedores, geralmente vou no meio do ano para tratar de outros negócios, mas desta vez vou antecipar para ir no começo e no meio do ano assim posso me fartar de novidades.

  5. Roberto, boa tarde!

    Preciso de sua preciosa ajuda, se for possível, claro!
    Pela primeira vez tentei fazer sabonete pelo Cold Process só que o resultado final não ficou bom. Existe alguma restrição na utilização de alguns óleos? E em relação aos corantes? Quais os mais adequados?
    Eu utilizei uma mescla de Óleo de coco babaçu, óleo de semente de uva, óleo de mamona e ácido esteárico. Só de óleo de coco babaçu foram 65% do total de óleos. Do óleo de mamona 5%. Óleo de semente de uva 21%. Ácido esteárico 9%.
    Qual seria a sua recomendação para um sabonete Cold perfeito?

    Muito obrigado pela preciosa atenção!
    Um ótimo natal pra você!

    Abraço!

    Alessandro Alves

    • Alessandro,
      Uma recomendação que faço é no sentido que vc precisa primeiro estabelecer uma certa linha conceitual do que vc quer seguir para fazer os seus sabonetes. Se vc decidir por uma linha natural e vegetal, não tem sentido usar por exemplo, ácido esteárico de origem animal, teria que ser o natural derivado do palma. O sebo bovino e a banha de porco são excelentes para dar dureza ao sabão mas se vc está numa linha natureba, é claro que vc não vai usar isso.

      Acho que não existe um sabonete perfeito mas, o mais apropriado, onde as propriedades estão balanceada e o custo é razoável. Falo de custo porque por aqui por exemplo, o óleo de oliva é muito caro, enquanto que em Portugal, é muito barato. Eu fiz uma formulação básica, que estão no site, que foi o melhor que consegui entre qualidade e custo.

      Esta tua fórmula está bem desbalanceada com relação aos atributos dos sabão: tem muito côco de babaçu, vai dar uma espuma incrível e um poder de limpeza fantástico, mas…vai ser muito agressivo, vai tirar a gordura do corpo em excesso, vai ressecar e irritar. O óleo de semente de uvas é um dos óleos comprovadamente que possui uma a maior facilidade de oxidar, de rancificar. É boa suas propriedades condicionadora, mas está em excesso, um % de até 10% seria o ótimo. Com esse teor de uva, com certeza vai precisar de um anti-oxidante para evitar o ranço, e se o superfatting foi alto, o risco aumenta. Quanto vc usou de soda? Para essas quantidades, com 5% de SF seriam 15,4g de NaOH e 32g de água.

      Tem uma calculadora, aliás, várias, que te dá um valor numérico para as propriedades do sabão. Tente ver o da Mendrulandia, tem uma versão em portugues.
      Se vc colocar sua fórmula lá, a calculadora vai te dar duas propriedades em vermelho, de alerta: espuma = 71 e limpeza = 77, onde o ideal é tudo ficar na faixa dos 50.

      um abraço
      Roberto Akira

      • Roberto, boa noite!

        Mais uma vez, excelente sua explicação!
        Só não consegui entender a questão da soda e do SF.
        Nesta formulação que fiz utilizei 180 gramas de soda baseado no cálculo que fiz utilizando o índice de saponificação que veio no laudo técnico de cada óleo. Hoje, por exemplo, fiz mais um pequeno lote com 13% a menos de soda, uma vez que na outra ocasião a massa engrossou muito rápido e nem tive tempo de trabalhá-la. Pelo menos no de hoje tive tempo de trabalhar a massa e alcançar o trace perfeito.
        Já ouvi falar a respeito do óleo de coco babaçu, mas ainda não tenho o de palma e nem o de oliva. Esses que utilizei são os que disponho no momento. Só sobre o óleo de semente de uva é que foi uma novidade para mim. O bom é que ainda estou na fase de experimentos e aprendizados!
        Em relação ao SF, utilizei um % de 2,5% em relação ao total de massa após alcançar o trace leve.
        Vou ver a calculadora que você me indicou e ver o que consigo melhorar!
        Mais uma vez muito obrigado!

        Abraço!

        Alessandro Alves

        • Esqueci de falar sobre o ácido esteárico!
          Pelo menos onde comprei me disseram ser de origem vegetal!
          Com certeza quero seguir a linha dos sabonetes vegetais sem nenhuma matéria prima de origem animal. Na formulação de hoje não o utilizei!

          Abraço!

        • Alessandro,
          O SF – superfatting, o sobre-engorduramento, é uma medidad de segurânça que vc coloca na formulação de tal modo que vai sobrar um pouco de óleo e toda a soda vai ser consumida. Isso garante que vc não vai ter excesso de soda que vc não consegue corrigir depois de feito o sabão. Eu uso 5% de SF, isto é, vai ter um excesso de 5% de óleos.
          Você poderia tentar esta fórmula: babaçú/girassol/uva/mamona/esteárico = 35/45/10/5/5; NaOH = 14,2g e 32g de água. Isso vai te dar um sabonete equilibrado nas propriedades, como não tem palma, a dureza vai ficar no limite, mas não vai ficar mole. O óleo de girassol vc pode comprar no supermercado qualquer.

          Sugiro que vc coloque esta fóemula na calculadora da mendrulandia: http://calc.mendrulandia.net/?lg=br, é muito bom para vc aprender como se comporta a sua formulação enquanto estiver aprendendo. Tente também no MMS: https://www.thesage.com/calcs/lyecalc2.php.

          Roberto Akira

          • Roberto,

            Estou usando a calculadora do mendrulandia e estou adorando! Eu não conhecia este tipo de ferramenta.
            Vou seguir a sua dica na minha próxima formulação!
            Eu aproveitei e elaborei uma assim: babaçu/soja/ácido esteárico/mamona: 35/44/12/9 e me pareceu perfeita! Creio que a soja traz consigo propriedades muito boas para a pele.
            Usei um SF de 5%.
            Não sei como te agradecer!
            O que eu aprendi hoje conversando com você não tem preço!
            O meu muito obrigado!

            Fique em Deus!

            • Acabei lembrando de mais uma coisa!
              A soda que utilizo tem o grau de pureza de 100%. Esta afirmação está na embalagem do produto! Na diluição em água não fica resíduo algum! Em relação a isso devo tomar alguma providência?
              Coisas do tipo: reduzir uma certa quantidade desta soda?
              Digo isso, pois geralmente a soda vendida por aí tem uma pureza que vai de 96% à 99%.

              • Alessandro,
                O mínimo de pureza que recomendo é de 97%. Não é neccessário correções para esse que vc usa a 100%. A diferênça de 3% não é significativa do ponto de vista da saponificação pois os próprios óleos tem uma variação no IS e, dependendo da sua balança, se vc usa essas de cozinha, a própria tolerância cobre essa diferênça.
                Roberto Akira

            • Alessandro
              O óleo de soja não dá um bom sabão, pode apresentar rancificação pois tem muito ácido graxos poliinsaturados: 53% de linoleico e 8% de linolenico, e fica um sabão que dá uma sensação de algo melado, grudento. Suas propriedades condicionadoras, apesar do linoleico, não é muito boa pois tem pouco ácido oleico.
              Não é normal fazer sabonetes com o soja como principal soft oil.
              Roberto Akira

              • Caro Roberto, boa tarde!

                A questão do óleo de soja foi só um dos meus testes na calculadora, pois consegui formular um sabonete equilibrado. hehehehe Mas é bom saber, também, sobre o óleo de soja!
                A boa notícia é que consegui comprar Azeite de Oliva por um preço bom e comprei também o Óleo de Canola. As opções e qualidade das minhas matérias primas estão melhorando.
                Estou aprendendo muito com você!
                Obrigado!

                Abraço!

  6. Caro Roberto, vejo que eu e o Alessandro estamos monopolizando seu tempo! mas vim dividir novos progressos, já fim alguns novos testes muitos erros, alguns acertos e como consequência muito aprendizado.

    Com a aquisição dos óleos de palma, palmiste e estearina fiquei com óleos capazes de fazer uma mistura mais equilibrada. Venho apendendo muito através de pesquisas mas devo deixar registrado que aprendo muito mais com minhas tentativas, cada erro desencadeia uma serie de novas pesquisas e possíveis soluções para resolver cada um dos erros diagnosticados.

    Pois bem la no Blog tem vários registros destes testes, e hoje tive minha primeira vitoria de fato, consegui (tomando por base seus conselhos) fazer uma receita mais equilibrada e com dureza suficiente para ser desenformada com facilidade e conservando os detalhes que tanto queria.

    Tinha que dividir estes avanços com você e agradecer pelas informações.

    Em breve novos testes, novos erros e novos acertos, estou fazendo uma redução de vinho para ver no que vai dar, metade foi para comemorar esta vitoria a outra metade virou um belo substituto para a água em minha solução cáustica, em breve farei este teste! algum conselho para este experimento?

    • Amauri
      Sim, mas não digo traço mais fino. A velocidade da reação de saponificação, dentro de uma faixa de temperatura, é diretamente proporcional ao aumento da temperatura. Isto significa que ao trabalhar com uma temperatura mais baixa o traço demora mais para ser atingido. Isto é útil, por exemplo, se vc faz swirl quando é necesário um tempo maior para vc poder trabalhar a massa com folga. Tem gente que faz o CPRT – cold process room temperature, isto é, o cold process que é feito na temperatura ambiente. Na verdade é deixar os óleos na temperatura ambiente, dissolver a soda no momento do uso e aproveitando a solução quente da dissolução, misturar aos óleos a TA. O calor da solução de soda quente, dissolve os óleos e inicia a saponificação. ë claro que não vai funcionar quando se usa alguns componentes com PF elevados como o karité ou a cera de abelha.

      • se isso acontece ou seja já que o calor é uma energia necessária para a reação química, logo menos calor menos energia ou seja a reação ira acontecer de forma mais lenta.

        se essências tendem a acelerar o processo, fazer esta mistura em temperatura mais baixa iria retardar a reação e com isso não engrossaria tanto a mistura a ponto de perder o traço (ao menos na pratica!)

        Acho que farei este experimento dividindo em duas fase, uma misturar a 30 graus e misturar a temperatura ambiente e ver o que acontece!

        a saponificação acontecerá seja a que temperatura for independentemente do tempo? outras duvidas aparecem!!!

  7. Sr. Roberto Akira, boa tarde !

    Fiz hj meu primeiro cold e, tenho algumas dúvidas que encarecidamente peço seu auxilio, a saber:

    1. usei a calculadora Mendrulandia;
    2. Girassol/Karité/Palma/Palmiste em 20/20/30/30, 8% Sobreengorduramento, 28% concentração;
    3. valores: Dureza 51/ bolhas 51/resistência 55/ limpeza 51 e condicionamento 52;
    4. água 35 mL e NaOH 15 g – Peso Total da Fórmula: 151,6 g
    5. Dióxido de Titânio 3 g e Óleo essencial Lemongrass 6 g,

    Dúvidas:

    1. O trace ficou muito cremoso;
    2. Enformado após 40 minutos estava endurecendo (bem macio);
    3. O NaOH não diluiu totalmente, mesmo aquecendo a água;
    4. Utilizei agitador eletrônico FISATOM a 900 rpm +/- 20 minutos
    5. Está correto o procedimento acima ?
    6. A massa endurecerá ou ficará cremosa (mole) ?

    Desde já agradecendo seu auxilio, neste trabalho, despeço-me

    Atenciosamente,

    Roberto Scalone Filho

    • Roberto Scalone,
      A sua fórmula está bem equilibrada como vc viu na calculadora que usou. É um luxo ter 20% de Karité, um condicionador excelente, as expensas de seu custo. Com este teor de karité, ficaria melhor, mas harmonizado, se usasse oliva no lugar do girassol, somaria o efeito condicionador mas por outro lado, encareceria.

      Pelo que vc descreveu, o que parece quase certo é que o NaOH que vc usou não é o de pureza recomendada de mínimo 97%.
      Se na dissolução vc notou que não dissolveu totalmente, é indicativo que isto que não dissolveu não é soda, é uma impureza, um “batismo”, quem sabe – existe muita adulteraçào da soda. Normalmente o cold process não demora todos estes tempos que vc se referiu. Apesar de estar usando um agitador não convencional – qual modelo da Fisatom e qual hélice vc usou, naval, cowles, âncora?, os tempos são muito longos. Usando um mixer de mão, os tempos são de menos de 1 minuto. Se a soda está batizada, os tempos serão mais longos pois vc estaria trabalhando com concentração menor.

      Aguarde, se após 24 horas o seu sabão não adquirir dureza suficiente para ser manuseado, é sinal que a soda é o problema.

  8. Sr. Roberto Akira, bom dia, tudo bem ?

    Após de mais de 24 Horas de espera meu sabão não endureceu, ficou mole, meio farinhento e com algumas gotículas por cima.

    Usei o Agitador FISATOM modelo 713 D com hélice CENTRÍFUGA a 900 rpm.

    Outrossim, mais algumas dúvidas, a saber:

    Para 100 g de massa, quanto devo usar ?
    1. extrato vegetal;
    2. óleo essencial;
    3. corante;
    4. Onde compro a OLIVA mencionada no sabão líquido que o Senhor fez ?
    5. Posso utilizar OLIVA EXTRA VIRGEM ?
    6. Posso utilizar SÓDIO para endurecer a massa e ajudar no condicionamento ?

    Mais uma vez agradecendo o auxílio e contando com a sua boa atenção, despeço-me.

    Atenciosamente,

    Roberto Scalone Filho

    • Roberto,
      O problema está na seu hidróxido de sódio, problema de pureza. O sabão que vc fez, ficou faltando soda e assim, está com óleos sem reagir e porisso, o sabão ficou mole, não endureceu. Tente com outra soda, vc pode ver na relação de fornecedores que postei, os que são confiáveis.

      Esse agitador é o mesmo que eu tenho, é muito bom, resistente e preciso. A hélice mais recomendado para o cold process é justamente esse que vc está usando.

      A quantidade de extrato e corantes (pigmentos ou cargas coloridas) deve ser obtida da experimentação. Para os colorantes vc pode se basear nas quantidades que eu uso, que estão nas fórmulas postadas. A quantidade de óleos essenciais é baseada na quantidade de óleos que a sua fórmua possui. Eu uso 6% sobre óleos.O óleo de oliva pomace/orujo eu compro no Mercado Central (Mercadão) de SP. Sim vc pode usar oliva extra virgem, sem problemas a não ser o custo. Não entendi isso de usar sódio, que sódio vc se refere?

      • Oi Sr. Roberto Akira, boa tarde !

        Bem, o sódio serve para espessar ou dar Viscosidade tanto para o Sabonete líquido e também o Xampu usando Lauril.
        No caso do Cold teoricamente endureceria a massa e tb ajudaria no condicionamento (viscosidade).
        O sódio usado seria o natural sem Iodo.

        Caso tenha mais dúvidas poderia entrar em contato com o Sr. ? – Pois quero muito entrar nesta área.

        Muito obrigado pela sua ajuda, abraços

        Roberto Scalone Filho

        • Roberto,
          Sim, o cloreto de sódio pode ser usado como espessante de sabonete líquido e xampoos sintéticos à base de Lauril Eter Sulfonato Sodio,
          Amida 90 e Côco Amido Propil Betaina, fiz muito destes produtos. Agora em cold raramente é usado o sal, no sabão de côco é usado como carga para baratear.

          Sem dúvidas que pode contar comigo!

  9. sr. roberto, boa tarde !

    Primeiramente obrigado por ajudar-me, significa muito para mim.

    Refiz meu cold ( NaOH de qualidade), e ficou muito bom, o trace foi rápido e já está na cura.
    Permita-me nova dúvida, a saber:

    A Manteiga de Karité, coloquei 20 % em minha fórmula, pensando em um sabonete bem condicionante. Mas, estive pensando se como base

  10. sr. roberto, boa tarde e ignore acima, houve problema !

    Primeiramente obrigado por ajudar-me, significa muito para mim.

    Refiz meu cold ( NaOH de qualidade), e ficou muito bom, o trace foi rápido e já está na cura.

    Permita-me nova dúvida, a saber:

    A Manteiga de Karité, formulei a 20 % , pensando em um sabonete bem condicionante. Mas, estive pensando se ao invés de 20% na fórmula, não adiciona-la a 5% como aditivo.

    Atenciosamente,

    Roberto Scalone Filho

    • Roberto,
      Realmente 20% de karité é uma quantidade exagerada. Algo em torno de 10% é o que é mais usado. Poderia usar 5% como aditivo e como vc já usa palma suficiente para dar dureza, é só acrescentar no girassol a diferênça.

    • Olá Rosi,
      A soda precisa ter uma pureza mínima de 97% para que possa ser usada na saboaria artesanal. Acredito que estas sodas que são vendidas em mercado não tem essa pureza. Procure comprar de fontes confiáveis pois a soda é um produto muito adulterado. Na relação de fornecedores coloquei alguns confiáveis.

    • Rosi,
      Se eu entendi a pergunta, vc quer saber como improvisar um molde e como mante-lo sem perda de calor.
      Você pode usar uma caixa de isopor, destas que são usadas para colocar sorvetes vendidos por peso. Elas não precisam de nada especial para isolar termicamente porque o isopor se encarrega disso. Outra opção é usar as embalagens de tetrapak para sucos ou leite. Elas possuem um revestimento plástico que dispensam a necessidade de forra-las. Para isolar termicamente vc pode usar uma caixa de isopor ou mesmo envolver em uma manta ou cobertor grosso, fazendo um embrulho.

  11. Sr. Roberto boa noite !

    Comprei da Buriti Comercial (Sr. Celso) a gordura de palma, ao invés do óleo de palma, e também o óleo de palmiste refinado e isto gerou-me uma dúvida, a saber:

    Esta gordura e o óleo de palmiste refinado servem para o cold process ou devo trocar?

    Grato

    Roberto Scalone Filho
    Grato pela ajuda

    • Olá Roberto,
      Se você comprou na Buriti e disse que era para fazer sabão, com certeza este tipo de palma serve para isso. O Celso e o Irapuan conhecem muito bem as necessidades dos saboeiros e portanto não há engano. O palmiste sim, serve, e muito bem, como substituto do babaçú. Gordura e óleo são denominações equivalentes do ponto de vista da saboaria.

  12. Sr. Roberto bom dia !

    Adquiri da Buriti comercial (Celso/Irapuan) a gordura de palma ao invés de óleo de palma e óleo de palmiste refinado (ambos para fritura), gerou-me uma dúvida, a saber:

    A gordura de palma e o óleo de palmiste refinado (ambos para fritura) servem para o cold process, são tão eficientes quanto o óleo de palma e óleo de palmiste?

    Grato pela ajuda

    Roberto Scalone

  13. Sr. Roberto, boa tarde !!!

    Meu Cold conta com 50 g de estearina vegetal para 500 g de massa e após endurecimento ao tentar corta-lo esfarinha, parece vela. Minhas dúvidas são:

    1) Quanto de Estearina Vegetal devo usar para um Cold duro porem sem se quebrar como vela (esfarela), e

    2) Minha saponificação está a 45 ºC e é muito rápido que mal consigo trabalhar a massa, penso em diminuí-la à 30 ou 35 º C, ajudaria ?

    Abraços,

    Roberto Scalone

    • Olá Roberto,
      Quando vc fala estearina vc está falando de estearina de palma?
      Quais óleos e quantidades que vc usou, bem como a soda? Se tiver restrições de dizer aqui, me manda uma MP p/ meu e-mail

  14. Sr. Roberto, boa tarde !!!

    Meu CP :

    Estearina/milho/Karité/Palma/Palmiste/Rícino => 50/50/25/175/175/25 =>
    Dureza/bolhas/Persistência/Limpeza/Condicionamento=>58/52/51/57/43

    Como ganhei 1Kg de estearina (dito ser vegetal), não sei dizer se é de Palma.

    Quanto ao NaOH a marca é ZAP e H2O deionizada. Ficou duro feito pedra.

    Penso em um CP com + dureza… porem com “muita espuma” ( para mim é essencial muita espuma) e hidratação.

    Abraços,

    Roberto Scalone Filho

    • Roberto,
      Por que vc quer tanta espuma? Quer fazer um sabão de barba?
      Esta fórmula está completamente desbalanceada, tem muito, muito saturado e pouquíssimo insaturado. A relação está 85/15, sat/insat. A dureza que obteve é desta relação inadequada. Uma relação base deveria ser 60/40. Outro alerta, nas calculadoras, principalmente nestas que tem valores numéricos para as propriedades, cabe tudo! Os números que vc obteve da calculadora, olhando estão ok… ,mas o sabão não funciona!

  15. Roberto,
    boa tarde!
    Permita-me colocar-lhe uma questão/dúvida.
    No Grupo do Facebook li, algures, que a percentagem de óleos essenciais a colocar será na ordem dos 2% a 3% do peso total dos óleos vegetais.
    Eu fiz um sabonete onde o total de peso dos oleos está nos 1.100 kg, logo, logo teria de colocar 3,3 ml de óleos essenciais (3%).
    Eu coloquei 35 ml.
    O problema é que agora o sabonete está pronto, está bonito, é espectacular mas… não tem cheiro. Ou seja, cheira quando está na embalagem, mas depois quando estamos a tomar banho, só se sente o cheiro a sabão.
    Ah, e coloquei os óleos essenciais quando estava quase a atingir o traço.
    Porque é que isso acontece?
    Obrigado!

    • Miguel, tudo bem?
      Isso dos óleos essenciais também me atormentou por longo tempo quando comecei!
      Não tem jeito, tem que aumentar a quantidade. Eu cheguei aos 6% sobre óleos e estou satisfeito…obviamente não no bolso!
      Os OE custam caros e 6% tem um impacto grande nos custos. Aprendi que também que é preciso fixar os OE e porisso nas minha fórmulas que tem lavanda/alfazema eu uso o Litsea cubela como fixador.
      No mais, procuro usar OE baratos e que tenham um bom perfume: lavandin, cítricos, eucaliptos, menta, etc.
      Espero que te ajude!

    • Miguel,
      Parabens pelo seu trabalho e pela sua página, tudo muito bonito!
      O hot process é o cold process com calor. Até obter o trace é um cold normal, depois vc aplica calor, usando um banho maria ou uma panela de cozimento lento. O calor aumenta a velocidade de reação de saponificação e o sabão fica pronto sem ter que esperar as três ou quatro semanas do cold process. Tecnicamente vc poderia usar o sabão feito por hot logo após desenformar, mas é bom esperar uma semana para evaporar água residual e obter dureza.
      O inconveniente do hot process é o aspecto do sabão, fica rústico e é difícil obter um bom acabamento pois ao colocar no molde, a massa começa a solidificar o que não permite distrubuir bem no molde, tem que forçar com uma espátula a acomodação da massa no molde As vantagens são, o sabão já sai pronto, o tempo de secagem é bem mais curto, permite economia de fragâncias, pode ser usado essências (sintéticas), e o sobreengorduramento, se o fizer, é de fato real.

  16. Ola Roberto, em primeiro lugar gostaria de lhe dar os parabens pelo site. Uma iniciativa incrivel. Depois de muito procurar pela net me deparei com sua pagina. Na minha opiniao e o site em portugues mais completo sobre Cold Process. Estou querendo aprender como trabalhar com esse processo e estava tendo dificuldades em encontrar informacoes precisas.Vi que voce tem varias formulas de sabonetes, qual voce indicaria para uma primeira tentativa? Seria possivel usar essencias industrializadas no lugar de oleos essenciais?

    • Olá Maria Silva,
      Obrigado!
      Não dá para usar essências sintética, elas contém álcool que aceleram a saponificação e fica difícil trabalhar com a massa.
      Sobre uma formulação inicial por favor me mande um MP que responderei em seguida, diga em que local vc se encontra.

    • Olá Barbara,
      Farmaceutica…isso é ótimo, meio caminho andado com essas coisas de saboaria!
      O pessoal tem colocado a validade de 2 anos. Eu tenho sabonete feito ha 4 anos e estão perfeitos. Tenho creme de barbear com 3 anos, só com antioxidante e conservantes naturais e estão tb perfeitos.
      Se já faz artesanato em sabão (base glicerinada, vá para outro estágio, que é a saboaria artesanal.
      Se precisar de ajuda, cá estou eu à sua disposição

      Desculpe Bárbara, me confundi em uma resposta à outra pessoa e disse de vc ser farmaceutica!

      • Na verdade sou advogada! Mas muito obrigada pelas considerações… De fato, esse começo é cheio de dúvidas e todo o apoio é muito bem-vindo! Abraço

  17. Estou muito impressionada com a profissionalização do seu site e de todas as tecnicas que está disponibilizando, parabéns e gratidão pelas informações.

    • Gandharvika Ocque Romenski,
      Obrigado!
      O mercado de sabonetes artesanais vegetais e naturais, sem uso de petroquímicos, é ainda um mercado pífio, muito pequeno por total falta de conhecimento dos benefícios deste tipo de sabão. Não digo que todo sabão deste tipo tenha propriedades terapêuticas, seria um exagero afirmar isso. O sabão artesanal inequivocamente tem excelentes propriedades benéficas para a pele e é incomparável ao produtos industrializados.
      A minha iniciativa é divulgar a saboarai artesanal e o objetivo é desmistificar muito do que se esconde como algo difícl de se fazer. Espero que mais pessoas conheçam este artesanato e que valorizem os produtos e com isso, aumente o mercado.

      • E está conseguindo, a cada dia amo mais tudo isso… eu já fazia sabonetes artesanais com bases comuns, mas depois de muita pesquisa não quero mais essas bases, vou testar e fazer a minha, estou muito animada! =D

        • Gandharvika
          Isso é muito bom e realmente a porta de entrada é o artesanato em sabão, com as bases glicerinadas, depois vem a saboarai artesanal, com inúmeras outras possibilidades. Boa sorte, se precisar ajuda é só contatar

  18. Excelente site.Sou farmaceutica mas não entendo muito deste processo embora seja encantada com o que vejo.Quero aprender mais como adicionar manteigas do tipo muru muru,e outras.Como saber o qto preciso de soda para saponificar dterminada qde de óleo e tbem qual qde ideal de cada óleo.Como percebe sou crua nesta técnica mas me encantei com seu site.Obrigada pela clareza das explicações.

  19. Olá, estou começando a fazer sabão e seu site tem me ajudado muito. Obrigada pelas informações, são ótimas. Vc pode me dizer como deixar o cold branco como vejo em alguns sites? Usei dióxido de titânio e só clareou um pouco, mas continuou amarelinho.
    Obrigada.
    Eliane.

    • Eliane,
      Estranho isso que usou dióxido de titânio e continuou amarelo. O TiO2 tem um poder de tingimento muito grande, basta uma pequena quantidade para deixar barnco. Se vc usar de 0,3 a 0,5% sobre óleos, vai conseguir o branco que vc quer. Importante, se vc usar o TiO2 comum, é preciso desagregar antes de adicionar nos óleos senão haverá formação de pontos brancos não dispersos na massa de sabão. Pegue um pouco de óleos e misture com o pigmento e com uma colher ou bastão, vá mexendo para desagregar e depois adicione na mistura de óleos.

  20. Olá! Tudo bem?
    Gostei muito do seu site. Parabéns!
    Gostaria de saber se posso usar pigmento cosmético líquido, ou se nesse processo só pode ser usado pigmentos sólidos.
    Gostaria de saber também se esse pH que você obteve no fim do processo não é ruim para a pele. O ideal não seria um valor de pH próximo da neutralidade?
    O pH pode ser medido no início do trace, para que possa ser corrigido caso esteja muito alcalino? E, como corrigir esse valor de pH (10) nesse processo de saponificação?
    Sei que são muitas perguntas, mas se você não se incomodasse e me respondesse, eu ficaria muito grata.
    Agradeço desde já!

    • Rosicleide,
      Depende do pigmento cosmético líquido, se vc está afirmando que é pigmento, me parece que seja resistente à soda. Na maioria daz vezes, estes para uso em cosméticos não são pigmentos e sim corantes. Os corantes raramente tem resistência à soda.
      O sabão/sabonete por sua natureza química é sempre alcalino e o pH fica na faixa dos 9 a 10. Todos os sabonetes industrializados tem este ou maior vaor de pH (única excessão é o Dove pois é uma sabonete híbrido).Este pH alcalino não imapcta negativamente na pele.
      Não há como corrigir o pH, quer seja no trace ou qdo estiver completa a saponificação. O que precisa ser feito é um cálculo preciso da quantidade de soda/óleos. para que o pH fique na faixa segura, inferior a 10.

  21. Tenho mais uma perguntinha: E quanto ao cheiro do sabonete? Só pode ser usado óleo essencial para isso? Aquelas essências que são usadas para fazer sabonetes de bases glicerinadas também podem ser utilizadas no cold process?
    Grata!

  22. Olá Sr Akira, 2 dias átras fiz (não tenho certeza) meu primeiro sabão, depois de semanas pesquisando e não sei se devo jogá-lo fora.
    Usei o que eu tinha, azeite de oliva 244g,babaçu 70g, 45 de NaOH e 105g de água. O trace foi muito leve, depois de 40 min batendo e pausando com o fouet ,derramei na forma,guardei em caixa de isopor, cortei agora com dificuldade, embaixo formou uma camada parecendo açucar meio cristalizado, devo raspá-la e curar por meses? Rss… Ou não será útil? Estou encantada e farei novas tentativas, estudarei mais, já anotei sua fórmula. Ah acresci mel e oliva 30g no trace leve, que não se alterou. Ficarei muito grata por alguma orientação. De todos sites que lí este é o mais confiável. Obrigada por compartilhar.

    • Gerusa,
      Analisando a sua formulação, a única coisa que chama a atenção é o superfatting (sobreengorduramento), que está com 9%. Esse valor é demasiado alto para este tipo de sabão, o normal é deixa-lo com 5%. Se vc adicionou uma parte (30g) de azeite depois do trace, junto com o mel, pode ser que não tenha incorporado bem e que tenha separado, isso que vc notou no embaixo pode ser o mel separado.
      Você pode raspar esse resíduo e deixar curar (secar) normalmente e depois é só usar, o sabão deve estar bem!
      Se for possível me mande uma foto para que eu possa ver este residuo em detalhes (akirasugai@uol.com.br)
      Uma última observação, isso de adicionar óleos depois do trace, não funciona, no trace ainda tem muita soda (>90%) e muita gente pensa errado que os óleos adicionados no trace não vão reagir e ficam sem saponificar, isso não acontece

      • Olá Sr Akira, muito grata por tantas informações esclarecedoras, andei a devorar estas páginas e indico para quem quer experimentar ou começar como eu.
        Fiz a segunda tentativa, usei o babaçu e manteiga de tucumã 60% e oliva e abacate 40%, e mais 5% de superfatting. Estava para chegar a manteiga e vi que as propriedades são similares ao palmíste . Estou muito contente porque deu um bom resultado (mais duro), cortei torto mas ficou bonitinho! Se me permite envio foto.
        E lá vem dúvida: aqui é serra e muito úmido a maior parte do ano, vai prejudicar muitas partes do processo, e os sabões precisam secar no escuro? Obrigada.
        Felicidades

        • Gerusa,
          Parabéns!
          Mande as fotos, sim! A umidade atrapalha na secagem, o sabonete demora um pouco mais para perder a umidade. Não precisa deixar no escuro, coloque-os em local que tenha circulação de ar.

      • Ah! Tudo bem querido mestre? Acabei de fazer um lote de sabão de coco pra louca e roupa…bem…o trace ficou bem leve….depois de 35 minutos batendo…usei: 300 gramas de gordura de palma , 300 de oleo de coco , 100 gramas de oleo de gergelim e 300 de soja sem uso. Enfim, o que eu tinha aqui! Coloquei 163 gramas de soda para 380 gramas de água…sera que esta certo? Bem…enformei e amanha vejo no que deu! Você poderia comentar essa minha receita? Grata! Selma Pugliesi

        • Selma,

          É uma formula interessante, balanceada, um bom sabão.
          Único problema, tem um excesso de soda de 7% se vc usou coco e 9% se vc usou babaçu.
          Excesso perigoso pois deixa o sabao cáustico, se for usar na lavagem de roupas e limpeza nao use por muito tempo sem proteção.
          Para a pele, nem pensar, pode irritar.
          Mandei por e-mail a analise

  23. Olá Roberto,
    Em primeiro quero agradecer pelas informações que disponibilizastes no blog. São muito completas, passadas de forma sistematizada e fruto de um trabalho lindo: parabéns! A Reserva das Flores é belíssima.
    Já li todas as informações sobre saboaria que você disponibilizou. Fiquei muito estimulada, pois já trabalho com sabonetes a 3 anos, mas não com cold press e sim com aquela mistura fácil de glicerina pronta com outros componentes. Eu sou eng° agrônoma e amo as plantas medicinais. Desenvolvi uma linha de sabonetes terapêuticos e medicinais onde eu misturo à base glicerinada tinturas/extratos alcóolicos que eu mesma produzo e em alguns casos óleos vegetais, como copaíba, andiroba, buriti e amêndoas.
    Sempre quis fazer minha própria massa de sabonetes e descobri coo fazer isso através de você! Aqui encontrei informações químicas, passo a passo, fornecedores… enfim, tudo o que é necessário para que eu possa melhorar significamente meu trabalho.
    Bem, eu quero experimentar o processo nessa semana e fiquei com algumas dúvidas:
    Na hora de “Ajustar a temperatura da mistura de óleos para a temperatura do processo que é de 41+-1 graus centígrados” significa que eu tenho que levar aquela mistura de óleos e pigmentos ao micro-ondas, aquecer e depois aguardar a temperatura indicada?
    Os óleos essências são aquecidos somente nesse momento, ou tem de ser aquecidos antes de misturá-los? Esse aquecimento não interfere nas propriedades medicinais deles?
    Você acha que ao invés de usar um mixer eu posso usar uma batedeira elétrica com 1 haste apenas para trabalhar a massa?
    No mais, agradeço novamente sua inciativa. Também li alguns comentários onde falou-se em legalização de pequenas fábricas. Realmente é muito triste nosso país não ter uma legislação específica para pequenos produtores. Eu perdi uma grande oportunidade com a rede Mundo Verde por conta disso, já que só entram produtos lá que possuem ANVISA e diante do contato deles eu tive que recuar… uma pena. Mas vamos trabalhando por que fazer sabonetes é uma arte, é prazeroso e rende lucros também.
    Namastè.

    • Ivy,
      O controle da temperatura é importante para vc ter sempre uma regularidade nos seus sabões. Tecnicamente é possível fazer sabão à temperatura ambiente, é as vezes é preciso trabalhar assim para ter maior tempo de manuseio da massa, por exemplo, qdo estiver fazendo um swirl ou outra decoração no sabão. Os óleos essencias não são e não devem ser aquecidos pois podee, como vc falou, comprometer os componenets e volatilizar a fragância.
      Pode usar sim este mixer ou batedeira para emulsionar o sabão até o trace.

  24. Akira,

    Trabalho com produtos de limpeza e gostaria também de estar iniciando na saboaria artesanal e gostaria também de saber onde comprar as materias primas e oleos essencias e qual a formulação que vc indica para a primeira etapa, caso possa me ajudar segue os meu email para contato, e desde de já agradeço a tenção

    • Gumercindo,
      Veja a relação de forneceores no página Introdução.
      Vc pode fazer o sabonete de lavanda, se está iniciando.
      Qualquer dúivda me contate

  25. Boa tarde, estou começando a fazer sabonetes nesse processo agora e estou pesquisando e o seu blog está sendo muito útil, obrigada pelas informações, mas eu uso óleo de licuri, já ouviu falar? na minha região tem muito licuri e o meu marido faz o processo do óleo, temos uma empresa que vende o óleo e cosméticos a base do mesmo .

    • Geise,
      Não tem como fazer para baixar o pH dos sabonetes. Todos os sabonetes quer sejam industrializados como artesanais, tem pH alcalino na faixa dos 9 no artesanal e 10 nos industrializados. Tem alguns sabões cujo pH é um pouco mais baixa, mas são excessões.

  26. Boa noite Sr Akira

    Recentemente eu comecei a extrair em casa o meu próprio óleo de coco no processo à frio.
    Tenho usado ele como hidratante e estou adorando.
    Decidir fazer meus sabonetes com o óleo de coco utilizando o processo à frio também
    Foi quando eu encontrei o seu site, fiquei encantada, tudo é muito lindo.
    Tenho aprendido muito com suas informações.
    Obrigada por dividir suas experiencias.
    Irei utilizar uma das suas formulas para fazer meu primeiro sabonete,manterei contato.
    Atenciosamente,
    Márcia Regis.

  27. Ontem pude testar o meu primeiro sabonete feito seguindo a sua receita desse tutorial. Simplesmente maravilhoso! Ficou perfeito, a sua receita é exata e acho mesmo que vou manter esta fórmula como base para outros sabões que venha a fazer, modificando os OEs.
    Amei o resultado!
    Muito obrigada, Sr. Roberto.
    Regina

  28. Olá roberto! Você disse acima que é impossível ajuatar o pH do sabão. Até onde eu sei, pH muito alcalino pode ser prejudicial para a pele e principalmente para os cabelos. Como pretendo fazer sua fórmula de shampoo em barra, pesquisei e vi muita gente falando sobre usar ácido cítrico como corretor de pH. Além disso, achei um material mais concreto falando sobre ácido sulfônico no seguinte site:
    http://www.abq.org.br/cbq/2008/trabalhos/5/5-66-3265.htm
    Estou ciente do erro nessa matéria ao dizer que deve-se colocar a água por cima da soda, o que realmente me interessa é a questão do ácido. Eu vou testar das duas formas.

    • Babi,
      Primeiro precisa definir o que é pH muito alcalino. O valor entre 9 e 10 de pH é uma faixa segura e é característica de todos os saboes feitos com matérias primas naturais e/ou vegetais. Não existe sabão natural com pH inferior a 8 e, reafirmo, nao existe modo de baixar o pH sem destruir o sabao. O ácido cítrico é usado para tamponar o sabão líquido para deixa-lo na faixa dos 8 a 9, e novemente, se adicionar mais ácido cítrico com a intenção baixar mais o pH, vai acabar destruindo o sabão líquido

      Esta matéria do link que passou, me causa uma grande decepção e me deixa incrédulo com a qualidade técnica de um artigo científico, afinal foi apresentado no CBQ. Um texto cheio de rros de interpretação científica, afirmações estapafurdias sem embasamento nenhum… uma lástima, como permitir um texto de pseudo-ciência que nem se quer se atentaram para um princípio de boas práticas e segurança de adicionar água sobre soda….!
      Misturar ácido sulfônico no sabao de óleo usado é atentado à inteligencia, o ácido sulfónico reage com a soda e produz o detergente derivado petroquímico, isso sim comprovadamente poluidor e desvastador da flora e fauna, desculpe o português chuloe, é o fim da picada!

  29. Olá Roberto
    Após uma visita ao seu site fiquei com uma duvida…como devo calcular o valor dos óleos essenciais por kg de óleos vegetais???
    O valor altera quando altera o óleo essencial ???
    Cumprimentos
    Isabel

    • Olá Isabel!
      A quantidade de óleos essenciais é uma questão de gosto pessoal. Para um aroma fraco, 2 a 3% sobre óleos, médio, 4% e forte, de 5 a 6%.
      Obviamente estes valores são para os óleos essenciais que poderíamos chamar de normais, tal como o alfazema, tea tree, etc. Alguns óleos essenciais são extremamente potentes, como o Massoai que acabei de usar, e nestes casos os vaores podem se alterar significadamente. O Massoia eu usei menos de 1% e já deu um aroma (coco) muito pronunciado.

  30. Oi roberto. Eu não havia pesquisado o ácido sulfônico com o devido cuidado ainda. Aqui http://www.deten.com.br/Adm/FCKimagens/DetLAS/FISPQ_LAS_31_07_12_REV08.pdf diz que é imcompatível a reação com hidróxidos.
    Aqui http://www.grupobrasinter.com.br/fispqs/09-ACIDO_SULFONICO.pdf diz que a reação com hidróxidos é perigosa.

    http://www.mundoeducacao.com/quimica/acidos-sulfonicos.htm aqui diz que a reação gera um detergente chamado laurilssulfonato de sódio, sobre o qual ainda não encontrei nenhuma informação.
    É uma pena, eu estava animada e até já comprei o reagente. Agora não sei como descartá-lo com segurança, nem se tenho alguma utilidade pra ele.

  31. Olá Roberto! Sou farmaceutica e quero começar a fabricar sabonetes pelo método Cold Process. Nas minhas pesquisas encontrei o seu site e realmente estou encantada. Incrível encontrar esse tipo de informação de forma tão aberta/acessível.
    Atualmente estou morando em Montevidéu e estou tendo MUITA dificuldade para encontrar os óleos vegetais, simplesmente não tem. Para começar e existindo essa minha dificuldade optarei pelo oliva100. Vi que você coloca cera de abelha clara (5,7%), poderia trocar por manteiga de karitê??
    Quanto ao óleo de oliva, qual seria o tipo ideal para utilizar na fabricação tendo em vista a relação custo/benefício?

    Muto obrigada por compartilhar todo o seu conhecimento!

    • Ingrid,
      A cera de abelha ajuda a dar a dureza inicial ao sabão de oliva 100%. Este sabao de oliva 100%, conhecido como sabão de castela, precisa de muito tempo para ficar bom para o uso, para adquirir dureza. As espanholas e portuguesas deixam secando por 6 meses. Com a adição da cera de abelha o sabão de castela pode ser usável em 5 semanas.
      O Karité não substitui a cera de abelha.
      Você pode usar qualquer tipo de óleo de oliva para fazer o sabão, mas por custo, o melhor é o da semente da oliva, conhecido como Pomace (ingles), Sansa (italiano), Orujo (espanhol) ou Bagaço da Oliva (portugues). Mas acho que no Uruguai vai ser difícil achar este óleo de oliva que é a última extração que é feita com solventes, que depois é destilado. São óleos comestíveis usados na cozinha industrial.

        • Ingrid,
          É somente uma questão de preferência pessoal. Neste caso nao usei mas nada impede que seja aromatizado com óleos essenciais de sua preferência.

          • Oi Roberto!

            Estarei em Fortaleza na próxima semana e encontrei gordura de palma da agropalma. A gordura de palma pode ser utilizada no lugar de óleo de palma?

            • Ingrid,
              Perfeito, os produtos da Agropalma são de ótima qualidade, um empresa certificada que produz de modo sustentável.
              Gordura e óleo de plama são a mesma coisa. Quando o óleo é rico em ácido graxos saturados, ele são normalmente sólidos a temperatura ambiente e costuma ser chamado de gordura.

              • Olá Roberto, tudo bem?

                Ao final acabei fazendo com azeite de dendê, não consegui comprar em pequenas quantidades o óleo de palma. a primeira fórmula que fiz foi dende:oliva:coco:mamona 35:30;30:05. Ficou ótimo quanto à dureza, espuma, ficou muito bom. O unico problema foi com a oxidacao dos oleos, ele ficou com uma camada externa toda branca. Agora, sigo com o mesmo problema, aqui no uruguai nao encontro de jeito nenhum o palma, somente o coco, oliva e mamona. Qual formulacao vc indicaria para um sabonete com as mesmas caracteristicas desse mas sem o aceite de palma? Fiquei pensando e sempre encontro um problema na questao da dureza que o palma proporciona ne?? Muito obrigada pela ajuda.

                • Ingrid,
                  O que aconteceu com o seu sabão não foi oxidação dos óleos. Essa camada externa branca é o chamado soda ash, produto da reação da soda com o dioxido de carbono do ar, o carbonato de ‘sodio. O único problema é estético, não faz mal a pele, e como é solúvel em água pode ser removido facilmente.Para evitar o soda ash, não deixe a superfície da massa de sabão em contato direto com o ar, cubra com um pedaço de folha ou filme plástico.

                  Veja se vc pode encontrar óleo de arroz e/ou manteiga de karite, esse dois podem dar dureza ao sabão na ausência do palam. Lei esse post no blog:
                  http://www.japudo.com.br/2013/03/16/analise-de-formulas-de-sabao-livres-de-palma/

                  Quequer dúvida, falamos!

      • Ah a receita maluca ficou assim sem o palmiste: soja/canola 2800k, água foi 650g (conc 36%) e hidróxido 365g, já com desconto de 4%. O frasco de soda era 500g que usei todo quando vi que boa parte não dissolvia, esperando que ao menos 70% fosse hidróxido. O mais estranho é que quando pesei a soluçao que usei ela tinha só o peso da água.
        A massa atingiu trace em 40 min, é isso.
        Sr. Akira já peço desculpas, por que parece impossível mesmo arrumar essa bagunça, não dá para adivinhar. Desisti de ligar ao fabricante para saber qual a percentagem de hidróxido do frasco.
        agradeço

  32. Bom dia, Sr Roberto

    Estou cada vez mais interessada em aprender e conhecer as técnicas para fazer um sabão de qualidade, que seja bom para a pele, a alma e o meio ambiente. Seu site é excelente, parabéns mais uma vez!
    Me surgiu uma dúvida, por favor me corrtija se eu estiver equivocada.
    Já andei vendo e brincando com várias calculadoras de sabão que fui encontrando nas minhas pesquisas. A que achei mais amigável, pelo menos para uma iniciante como eu, foi a da Mendrulandia. A dúvida é a seguinte: eu havia entendido que, para se calcular a quantidade de soda e líquido, tinha que se levar em conta todos os óleos e/ou manteigas que vc pretendia usar numa receita. A partir daí se escolhia o percentual de SF, entre 5 e 10%, e tinha-se então a quantidade de soda e líquido. Mas tenho visto receitas que só levam em conta para o cálculo os chamados óleos de base, os demais, os nobres, que dariam a característica do sabão, não entram no cálculo, eles já entram depois do trace e aí sim fazem o papel de SF.
    Qual a maneira mais segura e eficiente?
    Se vc puder me sanar essa dúvida, agradeço muito.

    • Nanci,
      Realmente tem isso de nao considerar os óleos que entram no trace no cálculo da quantidade de soda.
      Isso é o que eu chamo de mito do superfatting, um equívoco histórico. O erro está em considerar que no trace a soda já foi consumida em grande parte e tudo que vc adiciona no trace, nao vai reagir e vai permanecer íntegro e dái o mito do sobreengorduramento.
      No trace, ao contrário, somente uns 10% da soda foi consumida para formar a emulsão (trace) então temos aprox. 90% de soda ainda por reagir e aí mesmo que adicione óleos no trace, esses óleos serao consumidos ficando no final, no sabao, uma mistura de todos os óleos e nao somente aquele adicionados no trace.

  33. olá estou surpresa com tanta informação. Sou iniciante no processo de fabricação de sabonetes e estou curiosa em saber se ando em caminho seguro com as receitas que tenho porque tudo que li aqui nenhum momento é falado a respeito da glicerina em tanto a incolor como opaca, do lauril e dos corantes hidrossoluveis e essencias. E eu quero realmente fazer um linha de sabonetes naturais e hidratantes sem não agressivos a pele. Outra duvida a solda pode ser liquida ou só em escama? Por favor me ajude com as formulas ideais afim de fazer produtos com qualidade.

    • Lucia,
      Não confunda artesanato em sabão que usa base glicerinada e isso que pratico que é a saboaria artesanal, que consiste em fazer sabão a partir das matéria primas elementares (do scratch), que são os óleos, a soda, e os aditivos.
      Qualquer fórmula tradicional de cold process que estão no blog resultam em produtos de qualidade.

      • oi akira obrigado por me responder, ajudou muito verei as receitas suas. Fiz uma mistura para amaciante caseiro, acho um pouco diferente a viscosidade(tipo coriza de nariz quando resfriada – desculpe mas nao sei descrever de outra forma) usei 1 sabonete comum(90g) barra, 37,5 ml de glicerina bi destilada, 100 ml de leite de rosas,40 gts de essencia , 5 lt de agua. Derreti o sabonete em agua morna 1lt, acrescentei a glicerina e o leite de rosas misturei tudo e guardei em recipiente . Descansou por 12hs e quando fui ver estava com essa concentração meio gelatinosa, como coriza. A receita pede para descansar 2 a 3 dias e mexer a cada intervalo de dias antes de usar, gostaria de aperfeiçoar, pois apesar disso, usei antecipadamente um pouco como teste,apos 12 hs, e já funciona bem, mas nao gostei da viscosidade. Obrigado.

  34. olá quero agradecer por compartilhar tanto conhecimento, gosto e estou aprendendo muito com seus artigos e comentários . Obrigado Deus te abençoe sempre.

  35. boa tarde sr. Akira estou no inicio de um processo árduo que é o de aprendizado, embora gratificante pois estou gostando, me sinto perdida ao pesquisar a respeito de materia prima como os óleos, entrei no site do Distoil e vi que há oleos vegetais, hidrosoluveis e lipossoluveis. Gostaria de saber se todos podem ser utilizados na confecção dos sabonetes, e qual seria dentre os mesmo o melhor. Vi também em outro site que tem opção de oleo de coco e oleo de babaçu, eles são iguais ou há diferença. Obrigado pela paciencia e aguardo ajuda. Um abraço.

    • Lucia,
      Não conheço a Distoil – é esse mesmo o nome? Tampouco conheço esses tipos de óleos que vc falou.
      Os óleos de coco (coco nucíferas – coco da praia), coco de babaçu e palmiste, são todos similares e podem ser usados indistintamente.
      ë preciso estudar, se aprofundar no estudo dos óleos, suas propriedades e composição para dominar bem a saboaria artesanal. Depois conhecendo isso e o índice de saponificação, vc pode aprender a usar as calculadoras on-line. Me fale se tiver dúvidas. Onde vc está?

      • O senhor é maravilhoso, obrigado. Moro no Rio de Janeiro, conheço apenas cursos que ensinam usar a base de glicerina e misturar os elementos e dar formas. Embora sem tanto conhecimento percebo que a forma como conduz e formula as receitas nos faz pensar, elaborar, entender melhor oque é de fato e como age algumas substancias . Inspirando, pelo menos a mim, a criar. Tenho sim muitas duvidas a respeito dos oleos. Se poder me ajude um pouco mais por favor.

  36. Sr. Akira a respeito do amaciante de roupas caseiro a receita é 100ml de leite de rosas , 1lt de agua morna com 1 sabonete 90g, 5 colheresmde sopa de glicerina bi destilada, 4lt de agua temperatura ambiante, e essencia, depois o periodo de descanso de 24 hs mexendo em intervalos de 12 hs. Depois desse tempo a mistura ficou viscosa como os detergente de lavar louças, meio gelatinoso, o resultado na roupa é otimo muita maciez, mas gostaria de aperfeiçoar com sua orientação se poder.

    • Lucia,
      O óleo de babaçú normal é sólido na temperatura abaixo de +-25 graus e se liquefaz quando a temepratura sobe. Não conheço esse em forma de manteiga que vc falou. Me dê mais detalhes que vou pesquisar do que se trata.

  37. sr. Akira na lista de material a sabao e glicerina esta relacionado manteigas vegetais e lá está escrito manteiga de babaçu, daí a duvida. Porque encontro em outros lugares o oleo de babaçu liquido e não em “pasta”-(manteiga) Daí a duvida. Obrigado.

  38. Boa noite, por sorte do acaso deparei-me com o seu site, felicitando-o desde já por este e pelo seu trabalho.
    Também tenho uma questão para lhe colocar e que se prende com a utilização de polpa de fruta, mais concretamente polpa de abacate.
    Qual a sua opinião sobre a sua incorporação no processo de fabrico dos sabonetes e qual a quantidade de polpa que considera adequada para 340 gr de óleos e qual o momento ideal para a sua incorporação no processo de fabrico do sabonete?
    Desde já os meus agradecimentos.
    Cump. :)

    • Agnella,
      O riao X do abacate é assim (valores aproximados):
      água = 65%
      óleo: polpa (mesocarpo) = 30%, casca = 7% e caroço = 2%

      Se for usar a polpa batida vc teria então 65% de água, que vc desconta da água total e 30% de óleo de abacate, que vc considera no calculo da saponificação.
      Não entendi direito isso que vc fala dos 340g de óleo. Se for 340g de óleo de abacate, significa que teria que ter 340/0,30 = 1133g de polpa de abacate que teria também 1133x.65 = 734g de água.

      Se nao for isso, volte a escrever a dúvida.

      • Ora aqui deixo então os ingredientes que delineei para a minha receita de sabonete de abacate (peso 500g)
        azeite (oliva) – 190 gr
        oléo de palma – 60 gr
        óleo de coco – 50 gr
        manteiga de karité – 10 gr
        óleo de ricínio – 15 gr
        puré de abacate — quantidade a definir
        água – 115.1 gr
        soda – 44.7 gr
        óleos essenciais – 6% do peso dos óleos

        Para esta receita, qual a quantidade de puré de abacate (peso) seria a adequada. Sinta-se à vontade de alterar a minha receita :) pois esta ainda é um projeto inacabado.
        Desde já obrigada

        • Agnella
          É muito comum usar de 10 a 20% sobre óleos de pure de abacate.Se for usar 15%, vc teria 49 gramas de pure de abacate para o seu lote de 325 de óleo.
          Dessas 49g do abacate, 15g é de óleo de abacate, que precisaria de 15×0,133 = 2g de soda (o indice de saponificação de óleo de abacate é 0,133g NaOH/g) a mais no seu lote de 325g de óleo.A quantidade de água do pure de abacate seria de 32g que poderia ser descontada da água de dissolução da soda.
          Para ver se a formula esta balançada nas propriedades, experimente colocar a sua formula no SoapCalc.

  39. Olá Roberto,
    Sou farmacêutica e trabalho com cosméticos artesanais.
    Estou tentado produzir meus primeiros sabonetes em barra, mas estou tendo dificuldades, porque como já tenho uma linha de cosmeticos definida, queria seguir os mesmos aromas. Como o cold não aceita minhas essências, tenho tentado o hot. Mas nesse processo, nao sei bem quando o sabonete está pronto! Tenho aquecido em banho maria até a massa ficar translúcida. O sabonete tem ficado bem rústico, mole e com pequenos grumos endurecidos, correspondentes a massa que fica nas pareces do recipiente.
    Minhas duvidas sao:
    -como sei quando o sabonete está pronto no hot process?
    - tem que ficar me hendo, ou posso deixar a massa no banho maria em repouso?
    A formula que tenho usado é:
    Óleo de oliva 56%, óleo de babaçu 25%, manteiga de karité 19%.
    Não estou usando palma porque gostaria de uma formula com os ingredientes que já tenho em meuestoaue.

    • Maria Paula,
      O sabão por hot process invariavelmente produz um sabão rustico por que é difícil manusear a massa devido a consistência.
      É preciso, durante o processo, constantemente mexer a massa para evitar o endurecimento nas paredes que geram os grumos na barra de sabão.
      Se vc tem obtido o aspecto translúcido é indicativo de uma boa saponificação. Medindo o pH apos atingido este estágio, e obtendo um valor entre 9 e 10, o seu sabao está pronto.

      A sua formulação está bem equlibrada, o karite te da a dureza que o palma daria.
      O estranho é este sabao ficar mole, nao deveria, confira a quantidade de soda, concentração de soda e o SF que vc está usando. Por e-mail estou mandando o resultado do soapcalc.

  40. Oi Roberto,
    Obrigada pela resposta!
    Tenho encontrado pouca literatura sobre o hot process e é complicado nunca ter visto o procedimento.
    Na minha fórmula, tenho usado 70% da mistura de óleos nas proporções que falei, 9,59% de NaOH e qsp de água. Retiro do aquecimento qdo está translúcido e para medir o pH, faço uma solução a 10%. O pH tem ficado em torno de 10 (uso fitas Merck). Só não estava mexendo constantemente, para ficar mais fácil e a massa menos aerada.
    Além disso, hoje resolvi testar duas das minhas essências pelo cold (estava colocando a essência após o aquecimento). Uma delas não quebrou a massa logo de cara. Percebi uma aceleração do processo, nao dando tempo de colocar no molde. Com a outra (capim limão), aconteceu o memo, porém mais rápido ainda e percebi uma reação logo que coloquei: a essência ficou avermelhada. Isso que ocorreu significa que minhas essências são realmente inapropriadas, ou vale a pena um controle de temperatura e troca dos componentes da fórmula para obter o traço mais lentamente? É porque tenho achado meus sabonetes rústicos demais e rustico seria uma forma delicada de chamar o que está feio! Rsrsr
    E eu não recebi seu email…
    Abs e mais uma vez, obrigada,
    Maria Paula

    • Maria Paula,
      Isso das essencias nao tem como resolver, essas essencias contém álcool que aceleram a reação e fica praticamente inpossível manusear a massa de sabao. Para o CP, ou vc usa uma essencia compatível com CP (eu só conheço o da Paris Essencias) ou usa óelos essenciais.
      Mandei para o seu e-mail, verifique, se nao receber me mande um e-mail.

  41. ola sr akira estou iniciando com a criacao de sabonetes, gosgtaria
    de saber , qual a base de calculos dos oleos, porque e ref, dos 30,30,30,e 5
    e uma fixa esses num, ou baseados no tipo de oleos se eu quiser mudar, o oleo
    como me baseio para a porcentagem.

    obrigada
    creusa

  42. Sr. Roberto,
    gostaria de saber se usa, conservante/antioxidante em suas formulações.
    Li também em uma de suas explicações que usa oleo essencial Litsea Cu
    bela para fixar oleos essenciais de lavanda. E para outros oleos essenciais não posso usar a Litsea?
    Muito obrigada
    EDITH

    • Edith,
      No sabao em barras com uma formulação normal, nao é preciso usar conservantes, pois o meio alcalino nao favorece a formação de bactérias ou fungos.
      Se os óleos sao os normais e for mantida um sobreengorduramento de de 5 a 7%, não haverá necessidae de antioxidante.
      Tenho barras feitas a 4 anos e estão perfeitas, nunca usei conservantes ou antioxidantes.

  43. Roberto Akira,
    obrigada pela explicação e está bem entendido.
    Tenho mais uma dúvida : a litsea cubela é usada para fixar apenas o oleo essencial de lavande?
    E quando usar outros óleos essenciais o que devo usar para fixar?

    • Edith,
      O conhecimento que tenho é que o litsea ajuda a fixar a lavanda, em outras mistura nao sei.
      Nao conheço outros fixadored de OE para sabão. O melhor para manter o aroma é aumentar a quantidade.

  44. Olá … Vc poderia me dizer como faço para adicionar a manteiga de karité no sabonete liquido artesanal ? Ou poderia me passar alguma receita de sabonete liquido com manteiga de Karité ?
    Obrigada .

    • Karine,
      O karité é um óleo como qualquer outrso, um óleo predominantemente saturado.
      Vc tem que formular o seu sabonete liquido considerando o karite.
      Estude o processo e o mode de formulast, Depois tendo dúvidas, me contate

  45. Boa tarde, Professor na formula acima a somatória em Gr não seria 3426,8 ao invés de 3427,6. Coloquei a formula acima na Mendrulandia SF 5% Concent. 32%. A quantidade H2O foi de 682.2 e NaOH de 321 o que difere um pouco com a formula acima que foi de 702 e 326 respectivamente. Nas caract. finais do sabão o item Limpeza ficou pouco acima do recomendado mostrado em vermelho com 61. É necessário fazer um pequeno ajuste?
    Abç

  46. Professor, me confundi todo no post acima. É que estava testando as form. nas calc. o que eu quis dizer é que na soapcal é possível trabalhar com % da form. e na mendrul. não.

  47. Professor, quanto as minhas duvidas a respeito das pequenas diferenças de proporções da formula para o resultado obtido na(s) calc; o tema já foi abordado, esclarecido e explicado pelo Sr em um tópico aqui no site. Falta de atenção minha.
    Abraço

  48. Olá Roberto,
    Já faço há algum tempo os sabonetes cold process seguindo suas fórmulas 35/30/30/5 (palma/babaçu/oliva/mamona), o ph dos meus sabonetes ficam sempre 10.2 ou 10.3, é um bom ph? Pelas minhas pesquisas em sabonetes naturais eu sempre vejo que utilizam ácido cítrico, gostaria de saber se ele melhora o ph e qual a porcentagem que eu utilizo? Gostaria também de utilizar a vitamina E, qual a porcentagem? Na sua fórmula a sobre-gordura é o óleo de mamona? Muito obrigada por todas as informações que você disponibiliza!!! Graças a você hoje consigo fazer meus próprios sabonetes naturais!!!

    • Rachel,
      Não precisa agradecer, é uma satisfação!
      pH nessa faixa o pH normal de um sabão, o sabão por natureza química é alcalino, na faixa de 9 a 10.
      O ácido círtico é usado para neutalizar o excesso de potassa no sabão liquido artesanal, não é usado em sabão de sódio (barras).
      A vit E é usada como anti-oxidante, se o seu sabão contiver um SF normal, não é preciso usar anti-oxidantes.
      No sabão por cold process não existe isso de sobregordura seletiva, a sobregordura sempre sera composta pela mistura proporcional dos óleos que vc usou.

  49. Olá Roberto, boa tarde!
    Há algum tempo comecei fazendo sabonetes utilizando base glicerinada, mas gostaria de começar fazer pelo cold process, mas tenho algumas dúvidas.
    A água que o senhor utiliza para preparar a solução de soda caustica é destilada ou não há necessidade, basta ser filtrada?
    E eu gostaria de saber de qual fornecedor o senhor compra a soda caustica e recomenda como bom.
    Eu li em um post seu que devido a grande alcalinidade que fica até o momento do trace não é possivel adicionar nenhum ativo usando o cold process, mas se eu fizer pelo hot process é possivel colocar algum extrato glicolico?
    Desde ja agradeço sua atenção!!
    Atenciosamente
    Eduarda

    • Eduarda,
      Não precisa ser água destilada. Uma de boa qualidade, água tratada e filtrada, pode perfeitamente ser usada para fazer sabão.
      Se estiver em SP, pode ser na Poly, Sabao & Glicerina, etc, veja a relação de fornecedores.
      Existe excessões no cold process, mas fazendo com hot process pode usar sim extrato glicólico.

  50. Boa tarde,

    experimentei uma receita básica de azeite e mel (500 g de azeite e 18 g de mel), que correu bem, mas ficou sem cheiro. Gostaria de saber se existe algum óleo essencial ou mistura de óleos essenciais que confiram ao sabão um cheiro aproximado a mel. E que tipo de corante se poderá usar para escurecer as barras. Ou se é possível adicionar uma quantidade maior de mel, sem estragar o sabão.
    E tenho ainda outra questão. Em todas as experiências que fiz (com outros óleos, também, como amêndoas doces, rosa mosqueta, côco, palma, etc.), o resultado final parece-me bem, mas ficam sempre alguns poros (bolhas de ar?) nas barras após o corte. Terá que ver com o uso da varinha mágica?

    Agradeço-lhe a atenção!
    Cátia Freitas

    • Cátia,
      Não existe nada natural que acentue o cheiro de mel no sabão.
      Vc está usando uma quantidade segura de mel, 3,6% sobre óleos, o limite é aprox. de 5% mais do que isso vai ter problemas do tipo comprometer a dureza e exudação do mel. Para colorir poderia usar pigmentos escuros como o óxidos de ferro e o carvão.
      Isso de bolhas pode ser do seu mixer que está incorporando ar. Ao introduzir o mixer procure bater no fundo do recipiente para eliminar o ar preso.

  51. Boa tarde, Roberto,

    tenho mais duas questões para colocar-lhe. Gostaria de saber se é normal uma barra de sabão feita há 6 semanas (neste caso, foram vários lotes, uns só com azeite, outros com óleo de palma e de côco) apresentar um ph de 8 e de 9. É demasiado alcalino? Ou qual será o intervalo de ph recomendado para um sabão.
    Gostaria também de saber se é possível fazer sabão sólido só com cinzas (sem NaOH) e com óleos vegetais (sem usar banha ou sebo).

    Desde já, agradeço-lhe a atenção.
    Cumprimentos.
    Cátia Freitas

  52. Olá Sr. Akira,
    Primeiramente parabéns pelo seu site, estou encantada com as informações!
    Sou estudante de Farmácia e este semestre estarei fazendo a matéria de Cosmetologia (onde estudaremos as formulações de shampoos e sabonetes, além das demais formas cosmeticas). Sugeri para a professora essa técnica e enviei a ela seu site.
    Gostaria de saber se o sr. acha que seria possivel realizar a tecnica em casa, com equipamentos de cozinha (exceto pela balança e termometro), para uma quantidade reduzida de produto (apenas para teste e possivelmente uso pessoal, mais a titulo de aprendizagem do que de um possivel comercio).
    Poderia usar béqueres de vidro ou necessariamente devem ser de plástico?
    Sobre os materiais, penso em encomendar pela internet pequenas quantidades. O sr. tem alguma sugestão, dentre as receitas que disponibiliza, que seja mais simples de se obter? (Para de fato aprender a técnica, não produzir um sabonete para comercio).

    Grata,

    • Bruna,
      Obrigado!
      É perfeitamente possível fazer do modo que vc disse, em pequena escala, usando o que vc dispuser em casa.Dezenas de pessoas faze, desse modo, sem problemas.
      Pode usar vidrarias sim, mas eu nao recomendo por questões de segurança, o vidro quebra e pode provocar um acidente.
      Por minimalismo poderia fazer o sabonete de 100% óleo de coco porque só leva um único óleo. Outra alternativa é fazer um sabonete com 72% de Oliva e 28% de coco, dá um bom sabao e vc não precisa do óleo de palma que é difícil de encontrar em pequenas quantidades.
      Vc está em que lugar? Se for melhor para vc, responda por e-mail.

      • Olá novamente sr. Akira
        Sou de Florianopolis – SC.
        Parece interessante essa formula de 72% de Oliva e 28% de coco, acho que será facil obter os ingredientes!

        Seria possivel o Sr. me passar seu e-mail para contato, para que eu possa tirar outras duvidas?
        Obrigada!

  53. Bom dia Sr Akira. Sou iniciante no cold e ainda tento, sozinha, entender o processo. Tenho estudado muito sua página e tenho assistido muitos vídeos no youtube. Fiz um lote a um mês com sua receita básica e , apesar de não ter ficado muito “bonito ” ficou maravilhoso na pele. Ontem fiz um swirl com a seguinte receita que achei na net: 68 oliva,24 coco e 8 mamona. Soda 13.92 e água 38 ml, que calculei pela MMS.Essência da Paris para cold 120, pois achei que não estava com perfume suficiente. Corantes da Sabão e glicerina.Temperatura abaixo dos 30 graus, como o Sr recomenda. Ficou lindo e cheiroso! Mas hj de manhã, quando fui ver, ele está rachando e ainda está mole…O que fiz de errado? Muito obrigada por sua atenção! Jacqueline

    • Jacqueline,
      Os calculos estão corretos, quem sabe faria com menos água, está com 26,8% de concentração de soda, mas como é swirl tudo bem.
      Que corante da sabão e glicerina que vc usou? tem corante para velas que não são compatíveis e pode rachar o sabão porque contém parafina.

  54. Obrigada pela resposta. Vou aguardar mais para desenformar.Os corante são óxido de ferro , vermelho, verde, amarelo e azul ultramarino, além do dióxido de titâneo. Vou reduzir a água então. Muitíssimo obrigada por sua preciosa atenção. O Sr tem sido muito usado para nós abençoar com seu conhecimento., que partilha de graça!! Deus o abençoe!

  55. Ola sr Roberto fiquei muito feliz em conhecer seu blog estou apaixonada por sabões artesanais mas infelizmente sou lega não entendo muito mas vou tenta fazer pra consumo próprio só tem um problema não uso nada com cheiro pós tenho alergia gostaria se sr puder me fornecer uma formula de sabões feito cold process sem cheiro e com máxima eficácia pode ser de qualquer um só não pode ter fragrância desde já agradeço um forte abraço .

  56. Bom dia, sr. Akira ! Gostaria de informar que , com suas orientações consegui fazer um lote de sabonete lindo e cheiroso! Postei foto e um agradecimento ao sr na página do face- saboaria. Mais uma vez, obrigada ! Ah…aquele que tinha começado a rachar, não prosseguiu na rachadura e consegui cortá-lo e colocá-lo pra curar. Acho que vai ficar bom. Abs, Jacqueline.

  57. Ola Sr Akira, com conhecimento que o senhor tem, acha que os óleos essenciais podem dar algum tipo de alergia, e em uma formula quantos óleos essenciais devo colocar.

    • Eliana,
      Reação alergia varia de pessoa para pessoa, de modo geral os OE se comportam bem e no sabão a possibilidade de reação alergia é mais rara.
      Depende da intensidade que se quer, mas algo com 4% sobre óleos fica bom

  58. Olá Roberto! Tive a minha primeira experiencia com cold process essa semana, e acabei optando o sabonete 100% oliva por parecer mais simples… Então, fiz o sabonete tudo como indicava, usei a calculadora de saponificação e tal. Fiz tudo certo e deixei nas formas. Faz 48 horas e os sabonetes simplesmente não ficaram duros! Ficou uma espécie de gelatina mais densa. Parece endurecer aos poucos, mas não sei se fiz algo errado… Usei óleo de oliva extra virgem e soda. Se puder, diga o que você acha! Haha. Grato.

    • Vinicius,
      Fica difícil sem conhecer outros detalhes, opinar sobre o que está acontecendo com o seu sabão.
      Um sabão 100% azeite demora mais do que os normais para adquirirem dureza inicial, mas 48 h deveria ser suficiente.
      Essa “gelatina” que vc fala deve ser formação de gel, observe se está concentrado no centro da barra e menos nas laterais. Se for isso, pode ser formação de gel, que depois pode estabilizar e ficar com dureza.

  59. Olá Roberto.
    A minha pergunta: O óleo de soja e o azeite de dendê pode ser usado na receita de sabonetes? Em qual proporção, junto com quais óleos, gorduras, manteigas, etc.
    Porque não vejo nenhuma receita com esses ingredientes, então surgiu a minha curiosidade de fazer o primeiro usando esses óleos.
    Grata pela resposta.

    • Celia,
      A composição do óleo de soja nao favorece a sua utilização no sabão, contém muito ácido graxo poliinsaturados que é muito frágil, pode rancificar facilmente. Pode usar eventualmente misturado com o oliva.
      O dende é o óleo de palma bruto sem refino, confere um cor amarelada ao sabão que pode descolorir com o tempo. Pode ser usado no luar do palma pra conferir dureza ao sabão.

      • Muitíssimo obrigada pela resposta, agora entendi porque as pessoas dispensam o “óleo de soja” nas receitas.
        Suas informações contidas no site são brilhantes, parabéns.
        Abraços.

  60. Boa tarde Professor

    adoro o seu site. tem sido uma ajuda preciosa para mim que estou a começar nesta maravilhosa arte do sabão. Faço sabão pelo processo cold, ainda muito a medo… queria fazer sabão com polpa de aloe vera mas tenho uma grande duvida?? posso usar tb a casca de fora da folha ou só posso usar a polpa de dentro??. e queria usar essa massa em vez da agua, com os seguintes oleos, azeite, palma, amendoas doces,coco, manteiga de cacau, o que acha da combinação.. agradeço a sua opinião obrigado

    • Germana,
      Obrigado!
      Vc nao usa a casca, a parte verde, vc descasca e pega só a polpa, a parte branca e o gel.
      Sim, pode usar o suco de aloe vera no lugar da água.
      Qualitativamente a sua fórmula está bem, importante é o balanço de cada óleo.

      • muito obrigado Professor, vou formular a receita e depois peço a sua opinião. Adoro o seu trabalho. e já agora sou de Portugal e espero um dia o conhecer pessoalmente, quando voltar a este belo país

      • Boa tarde Professor. Utilizo a calculadora Soapcalc.
        para o sabão de abacate pretendo a seguinte percentagem, azeite 60%,coco 15%,palma 10%, manteiga de karité 5% e mant.de cacau 5%, oleo de abacate5% e sub.agua por abacate,

        também pretendo usar a mesma formula com polpa de aloe vera, mas estou com receio que fique muito mole, é a primeira vez que vou tentar esta receita . obrigado

  61. Boa noite Sr. Akira.
    Surgiu mais uma dúvida, há 10 dias fiz uma receita de sabonete no “cold process” com os seguintes ingredientes: ( 50% óleo de soja, 30% azeite de oliva e 20% entre azeite de palma, soda cáustica escama, água, argila, extrato glicólico e essências. O sabão ficou com excelente aparência, ficou duro macio, acontece que surgiu “minúsculas bolhinhas” parecido com “mofo”, achei estranho, ele estava armazenado em local com pouca luz solar, porém pouco ventilado. O que devo fazer deste sabonete, inutilizá-lo ou reaproveitá-lo no “hot process”.
    Sei que não devemos usar nenhum tipo de conservante e antioxidante nos sabonetes naturais, mas fica difícil prolongar a vida útil sem esses produtos químicos, por favor poderia me indicar algum para evitar esse e outros problemas no decorrer da maturação, armazenagem, uso, etc…
    Desde já, agradeço pela atenção. A sua resposta é muito importante para eu seguir os próximos passos no novo ramos de atividade.
    Grande abraço.

    • Célia,
      Fica difícil analisar o problema sem um foto do sabão para ver essas bolhinhas que vc fala.
      Sua fórmula por conter o óleo de soja que é um óleo poliinsaturado e fragil, dependendo do SF que vc usou, pode estar oxidando, que gera manchas amareladas na barra de sabão.
      Melhor usar no lugar do soja, o canola que é mais resistente à oxidação (rancificação).

      Um sabão bem balanceado e com óleos resistentes, não precisa de nenhum antioxidante ou conservante, eu tenho sabão com mais de 4 anos e estão perfeitos.

      Se possível me envie uma foto do problema por e-mail.

  62. Olá, fiz sabão de oliva para meu uso particular mas ele ficou com o ph muito ácido, o ph dele é de 2,0. Isso é normal? O que será que aconteceu??
    Desde já agradeço.

  63. Olá Roberto,

    O meu nome é Sara Gonçalves e sou de Portugal.
    Comecei a fazer sabonetes recentemente e o seu site tem sido uma fonte de inspiração. Inicialmente com a base de glicerina e agora de azeite.

    Tenho uma tabela para calcular a soda cáustica, e tenho feito várias experiências misturando azeite, óleos vegetais e manteigas. Tenho dificuldades em calcular a água. Poderia ajudar-me a calcular a água.

    Desde já muito obrigada.

    Muitos cumprimentos,
    Sara Gonçalves

  64. Boa noite, Roberto Akira. É possível fazer sabonete por cold process usando apenas 2 óleos ( coco licuri e azeite de oliva)? Qual seria a proporção e quanto de cada para se obter mais ou menos 1kg de sabão?

    • Karine,
      Sim é perfeitamente possível fazer sabão com somente dois óleos de preferência um saturado e outro insaturado, como esses que vc se referiu.
      O licuri é saturado e o óleo de oliva é insaturado. Uma proporção de 60/40 – oliva/licuri daria um bom sabão. Para 600g de oliva e 400g de licuri a soda necessária seria de (600 x 0,135) + (400 x 0,160) = 145g de soda
      Para uma concentração de 30% de soda seriam necessários 338g de água.

    • Cleia,
      Não tenho formula especifica que vc pode.
      O que pode fazer é um sabão normal e acrescentar o melaleuca, só não sei se é efetivo para a dermatite

  65. Boa tarde sr. Roberto
    parabéns pelo site, um trabalho muito primoroso

    Meu marido e eu temos nos aventurado a fazer sabonetes em nossa fazenda de Goiás onde temos bastante sebo.
    Já compramos óleo de Palma e óleo de Mamona e temos sempre usado azeite de Oliva.

    O sr. teria uma receita para se fazer com o sebo e essas gorduras que já temos???

    Gostamos muito de usar a essência de Capim limão e citronela e gostaríamos de fazer um sabão verde (seria com spirulina???)

    Grata pela atenção
    Patrícia Sampaio
    patsysamp@urutai.com

  66. Muito bom o sit. Mas fabricar esses sabonetes é um pouco complicado (para mim). E estou mesmo procurando, e não sei se é do seu ramo, uma receita de sabonete (e sabão) de coco do babaçu para um projeto na comunidade onde leciono, algo mais simples. Mas obrigado pelas dicas, foram de grande esclarecimento.

    • Erika,
      Sabão de coco 100% e artesanal, tanto para limpeza como para o corpo e cabelos é, quem sabe, o sabão mais simples, o mais minimalista possível de se fazer e obter ótimos resultados. No blog tem os dois casos, para limpeza e para higiene pessoal, como se faz e as fórmulas.
      Pode me falar sobre este seu trabalho na comunidade, pode ser por e-mail.

  67. Bom dia Akira!

    Deixei um comentário na semana passada, mas acho que houve algum problema, pois não consigo visualizá-lo, por isso resolvi entrar em contato novamente.

    Outro dia assistindo a um vídeo do Peter Paiva decidi fazer o meu próprio sabonete pra ver se realmente sabonete artesanal é tudo o que dizem.

    Comprei meu primeiro material para confecção do sabonete (base glicerinada,etc). Confesso que foi com um certo grau de desconfiança.

    Optei por um sabonete esfoliante de mel, própolis e fubá.

    Fiquei impressionada com o resultado. Minha pele nunca ficou tão sedosa. A massa rendeu cerca de doze sabonetes. Porém apesar de acrescentar extratos naturais e um mel de qualidade, o odor característico da base glicerinada predominou.

    Presenteei algumas pessoas com o sabonete e apesar do cheiro forte adoraram o resultado.

    Isso fez com que eu procurasse novas fórmulas de sabonete até que conheci o de processo a frio. Fiquei fascinada e descobri que o verdadeiro sabonete artesanal é o que é feito com gordura + soda (óleos + alcalis) por meio de uma reação química.O que o Petr Paiva produz é apenas uma misturinha(Não querendo desmerecer visto que adorei o resultado).

    Fiquei interessada no Cold Process e através das minhas pesquisas encontrei seu trabalho na internet.

    Tenho interesse em fabricar meu sabonete cold. No entanto as receitas que tenho encontrado na internet usam vários tipos de óleos(todos caros).

    Gostaria de saber se é possível produzir sabonetes(pelo menos no início para adquirir experiência) utilizando os óleos mais acessíveis como soja,canola, milho e girasol (todos Virgens). Moro em apartamento e não disponho de muito espaço para produziir em grande quantidade.

    Se for possível você poderia encaminhar uma receita passo a passo com no máximo um litro ( kilo) de óleo para que eu possa testar ?

    Não tenho intenção de comercializá-lo. Apenas para uso próprio, pois tenho pele muito seca e Síndrome de Renault que piora no inverno.

    Desde já agradeço a sua atenção e parabéns pelo seu trabalho.

    • Patricia,
      Eu respondi ao seu comentário, o primeiro, respondi assim:
      Patricia,
      Um sabão bom só é conseguido com uma mistura de óleos, muito difícil um único óleo que produza um sabão balanceado.
      O oliva 100% é muito apreciado mas tem suas limitações, mas quem sabe seja único óleo que tenha uma performance boa.

      Os sabonetes de base glicerinada é um artesanato em sabão, onde o que se faz é uma modificação física na forma, mas o conteúdo permanece o mesmo ao final do trabalho artesanal. Já na saboaria artesanal o que se faz é a síntese do sabão a partir dos componentes primários através do processo químico da saponificação.

      Deste modo é importante ter o mínimo de conhecimento sobre o processo como um todo. No blog tem as informações básicas onde se pode aprender este conhecimento básico necessário.Tb tem as fórmulas dos sabonetes cold process que vc pode usar para iniciar na saboaria artesanal

  68. Boa tarde Sr. Akira,
    Nas pesquisas que você realizou até chegar no conhecimento que tem nesta área, creio que deve ter consultado vários livros, artigos ou outros trabalhos realizados por profissionais da área. Procuro por um assunto na área de saboaria relacionado com estrutura cristalina do sabão, fases polimórficas. As mudanças nestas estruturas alteram qualidade da espuma, dureza do sabão e outros, tenho alguns artigos mas bem básico e geralmente quando acho é em inglês. Por acaso o Sr não teria alguma literatura neste campo para me indicar, isto é para um trabalho que estou fazendo nesta área, quando estiver pronto estarei enviando uma copia para seu conhecimento.

    • Washington,
      Infelizmente nao existe literatura em português sobre este assunto que vc está trabalhando.
      O mais abrangente é o livro Soap Manufacturing Technology cujo editor é o Luis Spitz, tem uns três capítulos sobre a estrutura do sabão.

  69. Bom dia Sr. Akira,

    O senhor tem algum e-mail de contato, gostaria de lhe enviar um trabalho sobre as estruturas cristalinas do sabão, o trabalho não é meu mas quero lhe enviar pois tenho certeza que vai gostar.

    Washington

  70. Olá Sr. Akira, tudo bem?
    Escrevi aqui em julho do ano passado, e quero dizer que continuei fazendo meus sabões, é que sempre que vou escrever lhe acabo por ler somente, rsss…
    Muito grata por existir este site, parábens.
    E nos ultimos tempos passei a fazer tambem o sabão para lavagem, de cozinha e roupas. Estava aqui com mais de 2kg de soja usado já decantado e o palmiste para os 30%, porem minha soda conhecida havia acabado, comprei outra marca confiando na “composição: hidróxido de sódio”. Na solução ficou um pó branco cremoso e grosso no fundo, o que é isso? Não usei o pó que não dissolvia, mas teimei em fazer o sabão com a parte líquida (tudo) e não por o palmiste, e fiz a 36% de concentração com soja. Resultado: um sabão mole (afunda ao toque) e que está a “suar” óleo. Está no molde, nem vou tentar cortar, e agora dá para arrumar isso? Creio que é outra teimosia minha pois não dá para saber a concentração desse hidróxido de sódio, mas não quero perder o sabão.
    E a propósito a soda que usei foi uma tal “Linhal” (não usem isso)!
    A que uso e havia acabado é da marca “Búfalo” vem “composiçao: hidróxido de sódio 100%” , para mim é a mais acessível, e a única que conhecia, lição aprendida!
    Aguardo ajuda e/ ou uma bronca…
    Um abraço

    • Gerusa,
      Acabei de ligar para o fabricante Linhal, essa soda que vc usou tem 70% de soda caustica e é indicada para ser usada em limpeza.
      Para tentar corrigir é só adicionar os 30% que faltam. Como vc usou 2800g de soja usado, e com desconto de 4%, a quantidade necessária de soda é de 365g.
      Sendo a soda Linhal, 70% de pureza, então vc usou 255,5g de soda pura, portanto faltam 109,5 g de soda pura.

  71. Olá Sr. Roberto. Uma dúvida: qual a temperatura mais adequada para a fusão dos óleos de palma e Palmiste? e, depois, para a mistura com o óleo de castanha do Pará? obrigado

  72. Boa tarde,
    Por acaso vim parar a este site,que adorei. Mas sou portuguesa e vivo em Lisboa. Sou uma apaixonada por tudo o que é natural, e dentro de outras actividades gostaria de começar a fazer sabão natural o mais natural que me seja possivel. Aqui em Portugal o azeite é relativamente barato, mas segundo o que eu verifiquei neste fantástico site há muitos elementos na composição do sabão que eu desconheço por completo e nem sei se haverá aqui deste lado do Atlantico. Solicito, se possivel, a informação da existência de quem venda desses produtos ou seus substitutos.
    Obrigado
    Eugénia

  73. Boa tarde
    Gostaria de saber quais óxidos podem ser utilizados para colorir os sabonetes, posso utilizar os óxido de cobalto, cobre, cromo, manganes, zinco, e carbonato de calcio?
    Agradeço a atenção e admiro muito seus produtos e a disponibilidade em ajudar quem está começando.

  74. Bom dia mestre Akira!!
    Estou quase botando a mão na massa, estão chegando as encomendas, óleos essenciais, corantes etc, e sempre existem dúvidas: consegui um fornecedor de gordura de Palma ( marca triângulo), a dúvida: existe tb muita oferta de óleo de Palma, de palmiste, de babaçu etc…. qual a mais indicada, a gordura de Palma ou o óleo de Palma?, vale tb para os demais óleos. grato.

    • Ronaldo,
      São denominações diferentes para o mesmo produto, na verdade são todos óleos (lipídios) mas costuma-se falar em gordura para óleos que na temperatura ambiente são sólidos, veio historicamente da gordura animal (sebo) que é sólido na temperatura ambiente.

  75. Olá Professor Akira!!

    Comecei a elaborar os sabonetes, com receitas pequenas para me acostumar e estudar a reação “fantástico”…é uma cachaça…ahahah.
    Professor, e as dúvidas vão aparecendo….por exemplo, estou usando o programa da MMS para calcular a soda, muito bom, mas gostaria de saber se os limites da água ali indicado são proporcionais ao tempo de solidificação: eles fornecem o mínimo e o máximo, entende-se então que: quanto mais água mais demora para endurecer, é isso??
    Existe alguma regra ou “tabela sugestão” para a combinação dos óleos essenciais? uns são mais intenso do que outros, isso pode prejudicar a utilização de mais de um aroma de óleo?

    • Ronaldo,
      O MMS é uma boa calculadora, no inicio foi a que eu usei e depois passeia para o Soapcalc, a melhor calculadora que existe pela possibilidades de analise da performance do sabão de acordo com a sua formulação.
      Sobre a água e consequentemente, pela concentração da soda, leia esse post:
      http://www.japudo.com.br/?s=importancia+&submit=Pesquisa&lang=pt-br

      Aroma é uma questão de preferencia e do olfativo de cada um, precisa testar e se basear nas notas de cada óleo essencial, uma base de perfumaria seria interessante saber

  76. Boa Tarde, fiquei surpresa em encontrar este site de mestres da saponificaçao,
    alguns anos atrás aprendi a fazer sabonete e cremes, e de lá pra cá estou sempre pesquisando, só que acho que o Brasil ainda está muito atrasado neste processo, parece que nao qerem difundir esta arte maravilhosa. Eu nao vendo faço só para mim, minha familia e amigos. Agora gostaria de saber se o oleo de palma e palmiste tem o mesmo indice de saponificaçao, pois eu compro este oleo mas nunca me disseram qual é exatamente dos dois, e nas tabelas que tenho nunca encontrei oleo de palmiste, só mesmo o di palma. Obrigada

    • Mariarosa,
      O indice de saponificação do palma e do palmiste são semelhantes, p palma = 0,142g de soda/g de óleo e o palmiste (palm kernel oil) = 0,176g de soda/g de óleo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>