Renomado sabão de Aleppo vítima do conflito na Síria

O conflito na Síria tem afetado a fabricação do sabão de Aleppo. Fiz a tradução deste artigo da AFP publicado em 4 de outubro de 2012 no site: http://www.france24.com/en/20121004-renowned-aleppo-soap-victim-syria-conflict.

“O sabão de Aleppo é famoso no mundo inteiro pela sua hidratação e propriedades  relaxantes,  mas os entusiastas vão achar difícil encontrar agora que a guerra na Síria trouxe uma parada nas exportações, diz um fabricante.

E Juan Semo, um curdo de 33 anos de idade, cuja família está no negócio de fabricação do sabão desde 1850, disse que a perspectiva é ainda pior, pois os preços do óleo de louro e da soda dispararam.

Em um armazém na colina, coberta de oilveiras, de Afrin há caixas e caixas de barras de sabão embalados individualmente.

“Nós não pudemos produzir qualquer sabonete este ano”, disse Semo à AFP. “Nosso estoque tem crescido mais e mais, porque todas as lojas em Aleppo fecharam e as rotas para exportar nossos produtos, especialmente para o norte do Iraque e para a França, estão cortadas.”

Aleppo, a segunda cidade da Síria e centro comercial, tem sido abalada por intensos combates entre rebeldes e forças do regime desde meados de julho. Tornou-se o ponto focal do conflito, tornando as entregas extremamente difícil.

“Nós estamos usando as estradas secundárias para as entregas, evitando o exército e o seu bombardeios por ficar fora das rotas principais. Mas muitos de nossos clientes fugiram de Aleppo de qualquer maneira”, diz Semo.

Semo saiu de sua casa no bairro de Salaheddin  “quando as balas atingiram minha sala de estar e os tanques começaram a rolar passando pelas minhas janelas.”

Ele voltou para sua família em Afrin, um enclave curdo de 360 aldeias que até agora se manteve neutro desde a revolta contra o regime sírio que começou em março do ano passado.

Antes da guerra, o sabão que estava sendo exportado para Paris, deixava Aleppo e ia até o porto de Latakia para ser enviado para Marselha, seu destino final.

Latakia é um reduto dos alauítas, um ramo do Islão da elite xiita a que o presidente Bashar al-Assad, no poder,  pertence que é uma minoria na Síria, enquanto a rebelião é liderada pela maioria sunita do país.

Quinze  fabricantes de Afrin enfrentam o obstáculo adicional de altíssimos custos das matérias-primas, devido à disparada da inflação.

O sabão de maior qualidade contém uma elevada percentagem do caro óleo de louro e é destinada à exportação. A versão mais simples, com uma maior proporção de óleo de oliva, vai para a Aleppo próxima.

A família Semo produzir seu óleo de oliva graças ao sítio  com dezenas de milhares de oliveiras, mas o óleo de louro e a soda tem que ser importados.

“Mesmo se eu conseguisse o óleo de louro de Antakya, na Turquia, seu preço dobrou no ano passado”, diz Semo.

O mesmo é o caso da soda, que ele recebe do Kuwait, Iraque ou da China. O custo para um litro  dobrou para 50 libras sírias (US$ 0,73 / 0,57 euros).

Antes da guerra, ele exportava 50 toneladas de sabão por ano e produzia 250 toneladas para o mercado sírio. O armazém agora contém 150 toneladas.

O sabão não se deterioram tão cedo, ele realmente melhora na qualidade com o  envelhecimento e secagem ao longo de seis anos. Mas Semo disse que não sabe quanto tempo vai durar o conflito. Por enquanto, ele não tem nenhuma fonte de renda estável, acrescenta.

No início de outubro, amadurece as azeitonas. Todo o processo, desde a colheita até a fabricação do sabão acabado, leva quatro meses.

Cinco ou seis pessoas são necessárias para escolher as azeitonas, que são então pressionados num grande extrator para extrair o óleo, misturados com os outros produtos, a partir do qual o sabão em si é eventualmente produzido em torno de Fevereiro.

O problema é que a fabricação de sabão exige trabalhadores especializados de Alepo.

“Eu não sei se eles vão ser capazes de chegar este ano” por causa do conflito, diz Semo.

Seu vizinho, Ahmad Kefo, um homem mais velho que ostenta o bigode espesso usado por muitos homens na região curda, suspira , enquanto oferece pistache frescos e romãs.

“Esta situação vai durar um longo tempo. Este ano, vou parar 80% da minha produção de sabão”, lamenta ele.”

 

 

8 ideias sobre “Renomado sabão de Aleppo vítima do conflito na Síria

  1. Bom dia Roberto,
    Parabéns por tudo o que você faz.
    Fiquei curiosa sobre o Sabão de Alepo, mas não encontrei na sua Loja para vender.
    Você fabrica esse sabão?
    Grata

    • Sonia, obrigado!
      Não dá para fazer porque não existe o óleo de fruto do louro à venda no Brasil e tb é muito dificil de compra lá fora, exceto na Turquia.

  2. Olá gostaria de saber o endereço da sua loja em São Paulo e vi que não tem sabonete de Alepo Siria mas vocês tem alguma amostra daquele Marselle ou da Turquia? Preciso urgente pois não consigo comprar pela internet é para um Tcc da faculdade.
    Aguardo um retorno
    Obrigada
    Joana

  3. Olá Roberto!

    Parabéns pela página! Venho visitando o seu blog há algum tempo e irei fazer um shampoo em barra, segundo a sua receita.
    Fiquei curioso com o sabão de Aleppo. Procurei no Google receitas para aquele tipo de sabão, mas não encontrei nada comparado a qualidade dos seus posts. Você conhece alguma receita de sabão de Aleppo? Quanto ao óleo de louro, eu consigo comprá-lo aqui na Europa.

    Com os melhores cumprimentos.
    Jean Carlos Håndlykken-Luz (Noruega).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *