Sabonete líquido vegetal – ajuda

Estive tentando desenvolver um processo mais produtivo e mais fácil para fazer o sabonete líquido vegetal. Mesmo usando uma panela de cozimento lento, o processo hot é trabalhoso, demorado e de baixa produtividade. Vendo o vídeo da Vermont Soap que mostra o processo deles para fazer o sabonete líquido de oliva, achei que seria possível fazer um processo semelhante para pequena escala do artesanato.

Fiz um monte de experiências e não consegui fazer um processo que tivesse boa repetividade e reprodutividade. Isto é, cada vez que você faz, você obtém um resultado, inclusive, um resultado perfeito.

O principal defeito, o que mais ocorre é este sobrenadante de cor branca que fica, após o repouso, na superfície do sabão. Analisando este defeito constata-se que é óleo que não reagiu, envolto por uma camada emulsionada de óleo.

Usei este equipamento improvisado, um recipiente para a reação, um agitador mecânico com controle digital de rpm, um dosador de solução de KOH, termômetros, e uma chapa de aquecimento.

Se alguém conhece um processo semelhante de fazer sabonete líquido vegetal e quiser compartilhar, agradeço antecipadamente.

Roberto Akira

 

19 ideias sobre “Sabonete líquido vegetal – ajuda

  1. Roberto….se esta espuminha branca é óleo, aumente um pouco a qtdd de NaOH……comece com + 2%……lembrando sempre que sabonete liquido limpa muito mais do que em barra, por isso acaba ressecando a pele……desisti dele……o sabão em barra é infinitamente superior, com seu SF !!!! bjkx Beth

    • Ok Beth, acho que além disso de aumentar a potassa é preciso melhorar o processo. Tenho estudado isso de novo e logo mais vou voltar às experiências. Obrigado
      Roberto Akira

  2. Olá Roberto. Acompanho seu trabalho há muito tempo. É maravilhoso e este site está muito especial. Sobre o soap líquido, utilizando a receita que está no seu site, usei álcool de cereais como catalizador e depois bati com o mixer até engrossar. Gostei do resultado que obtive. Acho que não é muito diferente do resultado do processo de cozimento. Faça um teste e depois me conta o que achou. abs

    • Olá Conceição
      Obrigado! Acho que você está falando do processo chamado alcohol/lye method que foi “criado”pela Catherine Failor e publicado no livro dela, Making Natural Liquid Soaps, a bíblia do sabonete líquido. Já fiz este processo e como leva muito álcool e o processo é desajeitado, optei por fazer sempre usando o método paste method, que está no site, com a slow cooker.

      • Bom dia Roberto, já ouvi falar muito da Catherine Failor, mas ainda não tive oportunidade de ter acesso ao livro dela. Imagino que deve ter muita coisa interessante lá. No processo dela, a massa do sabão é levada para cozimento, depois de colocar o álcool? obrigado!

        • Olá Conceição, boa tarde!
          Sim, no processo da Failor. que ela chama de alcohol/lye, após a adição, vai ao cozimento, com uma espécie de “tenda” que sugere para minimizar a perda de álcool. Ë muito improvisado além de perigoso pelo acúmulo de vapor de álccol.

  3. OLA ROBERTO! MORO NO RIO E ESTOU DOIDINHA PRA APRENDER FAZER ESSES MARAVILHOSOS SABONETES ARTESANAIS,JA PESQUISEI DE CABO A RABO TODO SOBRE O ASSUNTO,MAS ACHO QUE SÓ SERIO BEM SUCEDIDA COM CURSO AO VIVO..GOSTARIA DE SABER SE VC TEM ALGUM CONHECIMENTO DE ALGUEM QUE DE CURSO AKI NO RIO DE JANEIRO. DESDE JÁ MUITO OBRIGADA!!! ROSI

    • Olá Rosi,
      Fico contente que você esteja com vontade de aprender! Apesar de no princípio parecer uma coisa difícil de aprender, depois verá que é muito fácil e estimulante fazer a saboaria artesanal. Poderia começar com um sabonete bem básico, de oliva 100% e cera de abelha. Veja nas fórmulas disponibilizadas.

      Não conheço alguém no Rio que tenha um curso de saboaria artesanal.

  4. Oi Roberto!
    Que bom ver que existem pessoas que ,como eu,estão querendo desenvolver um produto novo.Estou há tempos pesquisando um sabão líquido para roupas finas ,de óleo de babaçú,natural e oleo de mamona. Essa nuvem que aparece é comum,fica algo tirando a transparência do sabão,”detona” o aspecto.Estou retomando minhas experiências novamente e,só é mais complicado pois não tenho um laboratório em casa.
    Não tem como vc traduzir o texto do vídeo??Infelizmente o sabão à quente sempre muda,é difícil padronizar,estou procurando um engrossante.Qdo coloquei sal ele pedrou e fiquei superhipermegachateada…vc tem facebook?Será um prazer conversar on com vc,pode me adicionar,sou de Fortaleza :Anna Ferreira,grata!!

    • No audio do vídeo eles não dizem coisas do processo, só falam que usam oliva certificado que compram na Espanha, que adicionam o KOH direto no tanque.Não achei vc no facebook, tente me adicionar.

  5. Bom dia Roberto !!!!

    Admiro muito seu trabalho e desprendimento de passar tanta informação sobre a arte do sabão sem esperar recompensa. E eu gostaria de abusar pedindo a formula do sabonete do sabonete ED pois achei fantástica a forma de diluiçao.
    E no momento eu nao tenho como compraruma panela slow.
    Desde ja agradeço a sua atenção.

    Maria Dias.

  6. Boa tarde Roberto ,desejo que esteja bem vc e sua familía,admiro muito o seu trabalho na arte da saboaria ,quando alguém me pergunta como aprendi a fazer sabão digo que aprendi com o Mago da Saboaria.Bem sem querer abusar da sua boa vontade ,eu vi o video do sabonete liquido ED e gostaria que vc se for possivel me passe a formula pois gostei muito e achei bem tranquilo o processo.
    Desde ja agradeço e desejo a você toda a Felicidade do mundo .
    Maria Dias.

      • Bom dia Roberto !!!!
        Eu já imaginava …. mas eu gostaria de sugerir a você e a sua equipe o lançamento de um curso virtual ,pois esse poço de conhecimento partilhado seria muito bom para o avanço da saboaria artesanal,assim como eu acredito que muitos adorariam e vindo de vc o investimento seria justo .E eu acredito que há que se cobrar sim ,pois o desenvolvimento de tecnicas demanda muito tempo e tem seus custos.Desde já aguardo ansiosa o desenvolvimento desse trabalho ,é claro que eu e todos os amantes da saboaria artesanal natural queremos muito participar do seu Workshop mas nao é possivel devido a distancia .E o curso virtual alcançaria a todos .Obrigada pelo que vc ja partilhou com o Brasil e o mundo .

  7. ola Roberto! estou fazendo o sabao liquido, da mesma forma que aptendi com vc no curso. E realmente observo que em alguns momentos apos reppuso sobra uma “nata” espessa…. costumo retirar e descartar essa nata, utilizando o restante q tem otimo resultado como xampu. observo tambem q nao consigo manter um padrao de transparencia… sempre uma surpresa! rsrs
    Gostaria de suas dicas para saber se é assim mesmo ou se possivelmente estou fazendo algo errado. tenho a sensaçao de que talvez tenha cozinhado a mais por isso gera a “nata”…. sera?

    • Julia,
      Essa nata é uma emulsão muito estável que consiste em sabão, ar colhido e óleo sem saponificar.
      Não é possível aproveitar essa nata, precisa descartar como está fazendo. É ocasionado por muito ar ocluido com uso intenso do mixer.
      A falta de transparência é devido à presença de óleo não saponificado ou saponificação insuficiente. Normalmente se trabalha com SF negativo, insto é, um ligeiro excesso de KOH, coisa de 1 a 2%

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>